quinta-feira, 25 de maio de 2017

Rota dos Faróis... segurança!

A Rota dos Faróis será um roteiro entre Torres e Santa Vitória do Palmar, marcará o farol mais ao norte do Estado do Rio Grande do Sul, e o Farol mais ao sul do Brasil. Com dezenas de Faróis no trajeto, será referência por ser um dos poucos roteiros costeiros viáveis onde o viajante visualiza o mar em tempo integral. Acima, fiz um print da rota informada pelo google maps, porém, se sabe que rota inexistente é rota que ele não sugere, por isto, se apresenta apenas por rodovias.
             Estou correndo para aprontar muita coisa... não é nada fácil organizar uma trip sozinho, especialmente quando ela se tornará um roteiro disponível para todos. Há detalhes sobre a bicicleta que as pessoas não imaginam, há planejamento com variáveis, há todo tipo de receio quando se lida com o clima do litoral gaúcho. Em parte, dependerei de sorte, e tudo isto explicarei com a conclusão. O roteiro por ter como pista uma faixa de areia, pode estar indisponível durante ressacas, ou o vento pode ser contra. E sabemos que acima de 30 km/h de vento contra, já se torna impraticável seguir... neste caso, seria prudente esperar o vento deixar a região. Escolhi a época, mas sucessão de fatos acarretou no atraso do projeto, me deixando mais vulnerável às condições climáticas. Depois, parei para pensar e percebi que este projeto deveria ser realizar justamente em uma das piores condições para que sejam conhecidas as interferências reais que os próximos aventureiros conhecerão. Se vou passar frio, fazer mais força, contar com imprevistos do momento... me parece que estas considerações terão grande valor para os próximos. Me considero um ciclista bastante experiente para ultrapassar os obstáculos que imagino surgirem e possuo um bom conhecimento da região... E lembro que vou fazer esta trip sozinho, por isto haverá um "protocolo" de segurança para algumas situações. Lembro do filme 127 horas e afirmo que aquele foi um exemplo pelo qual jamais devemos realizar algo sozinhos... ou, se o fizermos, podemos recalcular nossos atos para reduzir qualquer possibilidade de perdas. Temos no trajeto... trechos de ausência total de pessoas, em uma região fora de temporada, o que poderia acarretar em horas ou dias aguardando alguma ajuda. Por isto... rota conhecida por pessoas que sabem quando e de onde vc vai partir. Contato informando a localização sempre que houver sinal de telefone se faz muito importante, para que as pessoas saibam pelo menos região aproximada onde vc estaria. No caso de uma emergência, buscas podem ser agilizadas se forem precisas. Tenho estudado muito... vejo docs, leio temas e experiências, observo e acompanho outros viajantes. Amyr Klink é autor e tem frases interessantes... há um pensamento de autoria dele de que gosto muito, e a segunda frase, também dele, é sobre a simplicidade como as coisas podem ser vistas. 

“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”

"Um dia é preciso parar de sonhar e, de algum modo, partir."

Eu... aos 41 anos tenho mais "certeza" de que pouco sei, ou nada sei... e vou levando a vida, agora, com perspectivas reais, de viver um dia de cada vez, onde o único planejamento é zelar pela minha existência, para que talvez, um dia, eu possa construir obras que sejam alguma referência na estrada de alguém. Prefiro tentar do que simplesmente me ausentar da probabilidade...