terça-feira, 30 de setembro de 2014

A feira na busca por tendências e ideais... reflexões!





A feira Brasil Cycle Fair esta procurando por mudanças... o valor humano foi algo que percebi no primeiro dia de feira ao presenciar o encontro entre alguns amigos da bicicleta. Muitas pessoas estão percebendo a mesma coisa... sites e blogs estão abordando este assunto também. A bicicleta não é apenas um negócio e não pode ser vista apenas como tal, embora ela seja também motivadora da economia e garantia de sustento para muitas pessoas, inclusive para este que vos escreve. Lojistas, vendedores, distribuidores, funcionários de empresas diversas e até mesmo as transportadoras recebem um "empurrão" deste segmento. Muitas pessoas dependem do sistema... mas é preciso que estas pessoas sejam realmente engajadas e emocionalmente envolvidas com a magrela. Conheci pessoas muito legais neste evento... revi colegas, amigos e parceiros. Acho que há um momento de mudança neste segmento... o segmento esta precisando e percebendo esta necessidade. Recém vindo da Interbike 2014, uma das maiores feiras do mundo, percebi que entre lá e aqui há pouca diferença num todo, mas uma delas delas me preocupa. A tributação sobre o mercado da bicicleta é uma evidência sobre o arrasto que impede a economia brasileira para erguer a bicicleta. Não há esforço neste mundo capaz de viabilizar a bicicleta para quem precisa se o governo brasileiro mantiver-se apertando tão fortemente o negócio da bicicleta. E isto, não é aceitável... A bicicleta é importante para a mobilidade que envolve todo país. Quantos são os beneficiados da bicicleta em seu exercício pleno? Para mim a resposta é óbvia... a nação inteira seria beneficiada. 

Roberto Furtado