terça-feira, 11 de março de 2014

Cubos de marchas internas e os frames adequados

Neste tópico reside a maior complicação para aqueles que querem se aventurar nos cubos de marchas internas. Algumas pessoas dizem que este conceito de cubo pode ser instalado em qualquer bicicleta, e na verdade pode... assim como é também possível pedalar longas distâncias sobre qualquer tipo de bicicleta. O que não se considera nesta afirmativa é a dificuldade de ajuste, acidentes eventuais do esticador, e pelo mundo afora vamos em busca de ideais. Acabei refletindo e idealizando que o ideal nestes projetos são bicicletas de "gancheira" ou fixadores horizontais. Obviamente, quanto melhor a qualidade dos mesmos, melhor o resultado e diminuída a chance de dores de cabeça. As bicicletas que possuem estas "terminações" de maior espessura e horizontais (ou quase horizontais), sempre tem maior aceitação neste processo de adaptação. A verdade é que praticamente nenhuma bicicleta nasceu para este conceito... e tudo que se fez foi adequar os modelos de cubos para os frames existentes. Vai chegar um dia em que os frames serão projetados para cubos como estes, e acho até que este será o inevitável modelo que será aplicado na grande maioria das bicicletas. As fixas atuais se aproximam muito de um modelo indicado para receber um Shimano Nexus ou um Sturmey Archer (ou outros de qualidade). As road bikes da década de 60, 70, e 80 são grandes candidatas, exceto para aquelas que tem terminação  vertical para eixo. O fato é que há muito pano para manga neste assunto... Na Revista Bicicleta, edição de Março de 2014, em uma reconstrução utilizamos o Nexus Inter 3. Agora, como ponto de dedicação do assunto, usaremos também um nexus inter 3 de sistema contrapedal para uma MTB de gancheira horizontal. Nós conseguimos uma MTB dos anos 90 com este perfil. Acabamos de receber o cubo... acompanha esta história, pq a sugestão é que ela fará parte do futuro de grande parte das bicicletas destinadas a mobilidade urbana.