sábado, 29 de março de 2014

A revolução da bicicleta e as baixas da guerra no trânsito


Todo mundo têm uma história! Algumas são diferentes, outras mais comuns, mas a vida sobre a bicicleta traz a todos uma semelhança nos assuntos do trânsito. Os ciclistas, sejam atletas em treinamento ou usuários em exercício da mobilidade, se deparam com problemas parecidos. De maneira geral, eles, têm receio do trânsito, observam os automóveis e procuram espaço e ao mesmo tempo distância. Esta guerra travada diariamente nas ruas pode ser incluída no tema revolução da bicicleta. A revolução da bicicleta não poderia ser conceituada em algumas linhas, tampouco limitada a tópicos de parágrafos extensos, pois cada situação pede uma reflexão específica. Contudo podemos avaliar e incluir ações e reações deste fenômeno transformador que soma usuários da bicicleta, “interessados e integrantes”, da necessidade e do lado mais fraco do sistema de mobilidade urbana. É relevante dizer que os ciclistas e pedestres, as vítimas mais potenciais do sistema de trânsito, possuem grande força quando reunidos, no entanto é conhecida a fragilidade dos mesmos indivíduos perante o cotidiano comum e solitário nas vias. Incluem-se pedestres porque são igualmente frágeis.
Durante a trajetória desta história aconteceram alguns episódios infelizes do trânsito. Alguns acidentes com vítimas, muitas de forma fatal. O caso mais famoso deles foi o atropelamento da Massa Crítica, cujo autor, Ricardo Neis, acelerou o automóvel em direção a centenas de ciclistas. Foram dezenas de ciclistas “atropelados”, felizmente e estranhamente, ninguém morreu. Videos circulam nas redes sociais até hoje, e muitas vezes podemos ver comentários contra o autor, chamado de monstro, acusando-o de uma ação intencional. Este foi um dos casos que ganhou repercussão nacional e internacional.
Além deste caso, ocorreram inúmeros outros fatos em todo Brasil. Alguns famosos também pela ação intencional, pelos “tapetaços” a ciclistas nas imediações da USP. Também fácil de lembrar foi a episódio do rapaz que teve o braço arrancado na colisão de um automóvel... David,o ciclista e vítima, pedalava quando foi acertado por um motorista embriagado. O motorista fugiu do local levando o braço da vítima que ficou dentro do automóvel. Na sequência dos fatos, o autor do “acidente” jogou o braço da vítima em um valão de drenagem pluvial.
Recentemente, em Porto Alegre, duas meninas, estudantes universitárias, foram atropeladas em um afastamento de tempo de apenas 8 horas. Foram atropeladas por ônibus linha, coletivos, de Porto Alegre. A primeira vítima, Patrícia, 21 anos, no início da manhã, na região central, e a segunda vítima, Daíse, de 19 anos, durante á tarde, na zona norte de Porto Alegre. Embora estes acidentes estejam se tornando comuns no Brasil, a brutalidade e o pequeno afastamento de tempo entre os acidentes chamaram a atenção de toda sociedade portoalegrense. Para elas e os familiares, ocorreram homenagens, caminhadas e bicicletadas! Os protestos de diversas maneiras aconteceram em resposta a violência do trânsito. Muitas postagens em blogs e redes sociais a respeito do ocorrido foram constadas em grande circulação. Evidentemente, as conseqüências são demonstrações de falhas ou inexistentes ações para evitar o “formato” de acidente. Ocorre nestas e em todas as outras infelizes situações, a irresponsabilidade e omissão por parte da sociedade, que se estende pela péssima gestão dos órgãos competentes, ou de outra forma analisando, incompetentes.
A impressão de muitos cidadãos é de que a vida não vale nada mesmo. Os crimes e acidentes acontecem de forma banal. Perdeu-se o respeito por completo sobre o próximo, sobre questões da integridade física e mental de quem circula pelas vias. O motorista do Brasil se sente impune, dentro de um “cofre” automotivo, iludido de que a vida própria esta protegida, e arriscando a vida alheia. Esquece o motorista, que pode possuir família que transita pelas ruas, e que sobre a bicicleta esta uma fração de outra família. Algumas conclusões chegam para aqueles que ainda possuem capacidade crítica frente a tantas ocorrências... A começar pela existência de pessoas completamente incapazes de sensibilizar-se com qualquer situação em que seja primordial o valor da vida; depois percebe-se a impunidade em todos os graus e tipos de situação, que leva a banalização da ação e aumento do desrespeito; também se evidencia a incapacidade de condução de automóveis por parte dos motoristas, que não dominam perfeitamente os veículos,  por motivos variados, inclusive por pensar ao contrário e pelo despreparo. Ocorre em muitos casos a falta de percepção de que o veículo automotivo é um meio de transporte, que quando em mau uso, torna-se uma arma. E neste veículo é potencializado o resultado da tragédia em decorrência do aumento de peso, potência e situações que agravam a dificuldade de sua condução ou resposta para evitar acidentes. Em uma busca por respostas complexas, perdem-se muitas vidas, geralmente daquelas que não optaram pelo automóvel, seja no cotidiano, ou no momento em questão do vivido azar... as vítimas em sua maioria, são criadas pelos autores irresponsáveis em episódios do filme diário do trânsito. A revolução pacífica da bicicleta, motivada por aqueles que não percebem outra coisa, senão o prazer de viver e a qualidade direcionada a toda sociedade, perde pontos valiosos a cada vez que a sociedade apresenta uma baixa de trânsito. Perde-se uma vida, ganha-se atenção temporária para a questão, perde a família da vítima por definitivo, ganha a industria automotiva descontrolada, perde a indústria da bicicleta, perde-se a qualidade de vida sobre o ar, espaço e respeito. Entre ganhos e perdas... perde a revolução da bicicleta, por hora, mas de migalhas que representam cada vida, ganha-se a atenção da sociedade para mais uma batalha perdida! A vida perde sempre... perde sempre, em um novo e artificial processo de seleção criado por nós mesmos, alimentado por necessidades que criamos, que enriquece alguns e empobrece a família de outros. 

Texto e fotos: Roberto Furtado / Bikes do Andarilho.com