segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Futebol na bicicleta da contramão

DHU do Vinho 2011. Foto: Roberto Furtado / FGC
É curioso que o futebol seja um esporte "popular" inatingível para um percentual tão grande de espectadores. Os altos valores para assistir os jogos, certamente deixarão a mim e a milhares de espectadores ainda mais a vontade para não ir a um estádio de futebol. Provoca ainda mais estranheza tal fato de que as pessoas acreditem no esporte que tem mais jogo de vantagem e trocas de interesse que poderiam facilmente sugerir algum tipo de corrupção. Evidente... sobra MILHO nos "CELEIROS", aparecem corvos para comer! Agora o que desmotiva a qualquer entusiasta é ver que as pessoas realmente se importam com esta situação desagradável... vão aos estádios buscando algum tipo de distração, que comprova um teor altíssimo de alienação, quase um alcoolismo pq também são dependentes.
Quando estas pessoas são do meio da bicicleta e jamais participam como atletas ou espectadores de provas de ciclismo de relevância nacional ou internacional que ocorrem em nosso país, deixam uma dúvida para quem se questiona... afinal, o que querem estas pessoas da bicicleta? Isto é apenas uma questão de necessidade ou paixão? Ora, elas querem viver, ter sua vida, deslocar-se com baixo custo! Ao que parece, os ciclistas que utilizam a bicicleta apenas com finalidade da necessidade e sentam-se em frente a uma TV para assistir um jogo de futebol pq tiveram esta cultura pregada em suas vidas. Talvez elas quisessem uma vida diferente. Parece um fato... não é crime tal comportamento, tampouco motivo para crítica. Contudo, não parece que este perfil se encontra numa "sinuca" de bico, onde a vida seria completamente diferente se houvesse uma fonte financeiramente mais confortável? Será que o ciclista da necessidade não mudaria bruscamente de vida ao ser alvo de um bom salário? Deixaria a bicicleta esquecida para todo sempre, trocada por um confortável automóvel luxuoso que o levaria as cadeiras numeradas de um futebol. O DHU de Bento Gonçalves foi comentado por atletas de todos os lugares como um mega evento da bicicleta, construído com recursos apertados batalhados pelos garotos da ADHV que foram apoiados por empresas da iniciativa privada e pela prefeitura da cidade. Saiu na Revista Bicicleta as duas edições do evento, com direito a Filip Polc e outros grandes nomes deste esporte. Foi um evento de sucesso com um número altíssimo de espectadores de rua, falava-se em 9.000 pessoas observando um esporte da bicicleta! Isto parece surreal no RS e em muitos lugares do Brasil. Não esqueçamos que isto foi realizado em uma cidade do interior do Estado, cerca de 100 km da capital. Agora, que acontece de ciclistas rejeitarem eventos da bicicleta, mesmo como espectadores, para assistir uma partidinha de futebol, isto existe! Que seja como quiser cada um, mas que não esqueça que é também responsável por promover uma partida de futebol. Num país onde as pessoas do mundo da bicicleta muitas vezes torcem o nariz para eventos da própria bicicleta... o que dizer? Eu vou a quase todas as provas trabalhar e conheço muitos dos rostos da bicicleta de todos os mundos, mas o que vejo é uma questão social partidária sobre a bicicleta, que me deixa cada vez mais convencido... tudo não passa de fachada! Tanto o futebol, como as pessoas... nós somos hipócritas em algum aspecto de nossas vidas, basta que sejam observadas referências que se alteram de acordo com nossos estilos de vida e cultura. A bicicleta esta na contramão... e o futebol é o grande campeão!