sexta-feira, 12 de julho de 2013

GT Rave com cubos shimano 105...



Ultimamente ando meio saudosista... ou devo dizer que isto sempre fui, se tratando de bicicleta, e então houve uma acentuação deste adjetivo? A resposta não tenho, e sempre penso que a certeza é um momento perfeito para nos acomodarmos e deixarmos de perguntar, consequentemente deixarmos de aprender ou vivenciar. Precisando juntar dinheiro, vendi um par de rodas que havia coloca na GT Rave. Da instalação para este presente momento, andei apenas uns 70 km nesta bicicleta. Um verdadeiro pecado, pq ela nasceu para circular. Sendo proprietário de outras bicicletas é quase natural que alguma fique adormecida na garagem (esta fica na sala da minha casa), alguma outra sem acaba tendo um uso mais frequente, tal como a GT Corrado, que uso sempre que vou aos passeios noturnos. A single uso somente durante o dia, para ir a padaria, banco, e correios. Outras estão desmontadas ou em algum momento da reconstrução. 
De volta ao assunto da GT Rave, consegui cubos e aros antigos para ela, e então ela renasce em um ar mais vintage dos anos 90. Cubos shimano 105 para cassete de 7 velocidades... é isto aí! Os cubos são para o cassete mais popular na década de 90. O cassete era o mesmo que nela já estava, pq assim não precisaria trocar a corrente, e tudo é bastante novo. Os cubos se assemelham muito as Exage, aos XTR, XT e todos os demais da época. Todos eles tinham uma construção muito parecida, diferenciando-se em acabamento e alteração de algumas partes, como eixo. Tenho uma fixação por estas GT da década de 90, pq para mim elas são eternas, lendárias, muito distante do que se vende na atualidade. Sem desrespeitar a atualidade, aponto para diferenças sempre que posso... as antigas são pesadas, tem sua finalidade perfeita para os dias de hoje, que fique claro, nas mãos de entusiastas não competitivos. Elas não servem para competição... elas são uma jóia do extremo detalhista... é o cr-mo, tal como uma espada, agora eternizado pelo tempo que desejado no formato de uma bicicleta. Prestes a completar 20 anos, esta Rave ultrapassou uma barreira temporal que faz dela cada vez mais lendária. Nas minhas mãos, assim sempre será. E pensar que comprei ela de um cara gordinho que não andava mais de bike e que queria comprar um playstation. Bom, o livre arbítrio é sempre um direito e a prova disto.  Com peças cada vez mais de sua época, em grande estado para uma senhora, ela marca minha história, marcou de alguém, e marcará de outro no futuro... tendo certeza de que não sou eterno como ela pode ser, contará por mim a própria história.