terça-feira, 9 de julho de 2013

Fixed bike... Black Flea - Street


 Outro modelo... mesmo estilo, nova proposta e faixa de valor. Cores diferentes, peças que contrastam. A Black Flea modelo Street tem cor sóbria como a outra, porém o realce dourado das peças fala por si mesmo. Não é preciso ser um entusiasta pra avaliar que este modelo certamente, no que diz respeito ao visual, terá mais aceitação que a irmã mais modesta. Não dá pra esquecer que o modelo street custa uns 20% mais que a Free Rider.
 Este modelo é mais chamativo... cuidado! Chamativo pode ser um problema... chama a atenção de entusiastas, também de larápios. Não adentremos nesta parcela da história da bicicleta. Carros, celulares, computadores e outros bens também são roubados diariamente.  
Se a bicicleta é delgada como poucas... a resposta esta no material que compõe o frame. Aço... supostamente cromo. Será mesmo? Não achei nenhuma etiqueta sobre o tipo de cromoly. Deve ser um aço hi tensile.
Não é de hoje que alguns fabricantes omitem o tipo de material, mas uma certeza há... quando um fabricante produz um quadro do mais aço, ele certamente faz questão de informar. Sabe-se muito bem que o entusiasta deste tipo de material sempre quer saber o fornecedor dos tubos do projeto.  Existem tantas opções no mercado, que certamente são propostas e espessuras de parede bem diferentes. Atrever-se aos mais nobres é sinônimo de etiqueta no frame...
Se tratando de um quadro de conceito fixie, qualquer um dirá que o projeto terá fixação de roda em sentido horizontal. Isto, pq é uma necessidade de correr a roda para frente e para trás até o aperto final. Assim, a corrente estará tensionada da forma correta, sem riscos de cair. Pensando nisto, em reflexões sobre bicicletas, podemos concluir que as fixas são fortes candidatas ao experimento com shimano nexus, ou outros cubos de marchas internas. Isto é um artifício interessante...
Se a fixa vai receber um cubo de marchas internas, ou simplesmente utilizar sistema com roda livre, e esta é uma das opções desta bicicleta, ela precisará de um sistema de freios. É preciso que ela tenha pelo menos o freio da frente. Mesmo na configuração de fixa onde o ciclista pode controlar a velocidade da bicicleta por meio dos pedais, ainda assim se faz um item seguro e da prudência a existência de um freio na roda dianteira. Segurança é um assunto importante demais para ser esquecido, evitado!  Ciclista que abre mão de sua segurança esta também colocando em risco a vida de pedestres. Concorde ou não, qualquer ciclista sem freios pode não conseguir parar em um momento imprevisto. O risco existe, a situação pede atenção.
A graciosidade de uma bicicleta fixa, como esta que aparece nas imagens, fica por conta de uma superioridade de visual limpo... minimalista, sóbria, e suspeita da velocidade que emociona. Correr faz parte do homem... se a energia vem dele mesmo, então isto é não somente válido, mas uma oportunidade de reunir saúde, descontração, deslocamento e um estilo urbanista que somente vemos nos grandes centros urbanos. É uma confiança que poucos compreendem... tem que viver bicicleta para saber o que se trata um estilo específico. Assim como os maratonistas do mtb compreendem outras circunstâncias, os "fixeiros" têm sua própria raiz cultural, ideologias e perspectivas sobre o contato da roda com o chão. Todos eles gozam da liberdade, cada um a sua maneira, visão e mundo pertencente. Agradecimentos a Adventure Bike Shop por possibilitar a confecção de imagens e avaliação do material.