terça-feira, 30 de abril de 2013

O que fazer?

Começando... Tenho recebido muitas mensagens. Algumas por coments, por email, por mensagem de texto no celular e até algumas ligações. Recebo dicas, sugestões, e motivações. É difícil de explicar, como é difícil de fazer... Muita gente me pergunta pq desistir, e eu digo que o profissional deste segmento não é nada valorizado. O profissional neste país pode esquecer de trabalhar no segmento se quiser ganhar dinheiro suficiente para investir em materiais caros. Ele vai ter que fazer de gopro, com materiais semi-profissionais, ou com auxílio de outros colegas, ou com materiais oriundos de outros segmentos.
Pra ser bem sincero, não comecei este blog em 2008 com intenção de ganhar dinheiro... eu fiz com intenção de respirar bicicleta, matar minha sede de falar no assunto e ajudar outros que tinha dúvidas ou necessidade de saber as impressões pessoais de um outro ciclista. De um momento em diante, tudo foi se armando para que ficasse um meio mais profissional, pq começou a exigir muito do meu tempo. Thais Brandão, fotógrafa amiga, disse "n" vezes que o espaço precisava ser profissionalizado. Nunca me convenci... embora confie nela sobre considerações profissionais e conselhos de amizade. Sempre pensei que a "linguagem informal" tinha muito mais a cara da bicicleta do que o jornalismo carrancudo desempenhado por todos os jornais, revistas, e sites da atualidade. A bicicleta tem que ser levada a sério, mas com toque de humor, de entretenimento educativo, divertido, pq "se as pessoas ficarem pensando somente no lado complicado da bicicleta, ela deixará de ser um veículo, e passará ser apenas um brinquedo!" Eu não vou fazer uma mega estrutura para atender sozinho, com o compromisso de receber o que recebo do sistema sem que eu coloque minhas impressões pessoais, sem que eu seja visto como individuo. Eu não sou uma máquina! Se este espaço é caracterizado pelas aspirações de um andarilho sonhador, e você percebeu, então você descobriu o valor.
Estou convidando alguns colegas para me ajudar nesta caminhada, e desta forma não desistir. Estes colegas têm adjetivos que admiro, conhecem bicicleta de algum ângulo especial, e que somente neste perfil podem ajudar o Bikes do Andarilho. Gostaria que vocês aceitassem a possibilidade de que eles podem ser enriquecedores deste espaço na linguagem informal. Uma revista virtual com perfil de jornal já existe... têm a Revista Bicicleta, também o Pedal.com.br, ambos com caminhadas de quem pedala a muitos anos. Não tenho este interesse... pq de outra forma, eu iria apenas migrar para um dos endereços, como já fui convidado e participo. Nenhum dos dois espaços pode me absorver completamente como profissional. Eles também sofrem gravemente com a forma de pensar brasileira, que impede um trabalho sério de crescer como deveria. Compare com trabalhos feitos em outros países, e avalie por si.  
Prometi a Federação Gaúcha de Ciclismo cobrir os eventos novamente este ano... farei até o término de 2013. Estou com a Revista Bicicleta, e com ela ficarei até o término deste ano. Depois, não sei... talvez migre para um outro espaço, e me dedique ao que pode me manter, pq hoje vivo de fazer tantos trabalhos diferentes que não me permite ser um profissional no molde que gostaria. Ter que fazer aniversário de criança, book fotográfico de 15 anos, fotojornalismo, formatura... isto é o fim da picada para meu entendimento de profissional da fotografia. Um profissional tem que ser especializado. Você não quer teu dentista arrumando teu carro que pega estrada, quer? Especialização, especificidade, foco na atividade! O blog, por consequência, terá a atenção de sempre até o final deste ano. Depois, não sei o que será feito. Preciso que alguém possa apoiar esta ideia... que permita gastar o tempo exigido, também dar um auxílio financeiro para quem estiver ajudando, e desta forma continuaremos. De outra forma, não vai ter como aumentar, nem continuar no ritmo que esta. Agora se alguém pensa que um espaço destes acaba quando as pessoas param de alimentar, engana-se. Com mais de 1278 postagens e cerca de 90 álbuns de eventos da bicicleta, este endereço esta eternizado na internet, nos corações, nos abraços e apertos de mão que seguem os bordos da história da bicicleta gaúcha e brasileira. Porque isto é que é bicicleta... não é falar simplesmente jornalismo e publicidade. Conhecer os nomes dos ciclistas que não ganham provas, ou que não estão competindo pq possuem outra forma de pensar na bicicleta, isto sim é um laço verdadeiro com a bicicleta. Estou errado?