terça-feira, 26 de março de 2013

Automóvel na ciclovia é um desrespeito...


Final de tarde... fui buscar minha irmã no centro de Porto Alegre, cheguei cedo. Resolvi aproveitar para ver como anda a nova ciclovia que tem gerado polêmica sobre o desrespeito, dias atrás, promovido por veículos da própria prefeitura. Estacionei o carro em local permitido, e fui caminhar ao longo da mesma. De longe vi este chevettão dourado sobre a ciclovia. Estacionado sobre a via de exclusividade da bicicleta, atravessado de forma a impedir completamente o trânsito de bicicletas. Na imagem principal é possível ver um ciclista desviando do veículo. Não é preciso lembrar que ali no centro circulam inúmeros agentes do EPTC que multam outras coisas, menos veículos da prefeitura. Acho engraçado que este tipo de coisa eles não observam, para a sorte do transgressores e tristeza dos cofres públicos. Revolvi dar uma caminhada por ali para ver quanto tempo o veículo ficou no local. Aproximadamente 10 minutos sobre a ciclovia, talvez mais, considerando que quando cheguei ele já estava estacionado. Não dá nem pra dizer que a ciclovia não é utilizada, pq constatei ciclistas usando a via específica. Em uma das fotos que realizei, dois rapazes transportavam garrafões dágua, evidenciando importância do local para os serviços rotineiros do centro. 
Enquanto a população for ignorante, mal educada, e acreditar no jeitinho brasileiro de se dar bem, estas e outras peripécias continuarão ocorrendo. Não é errado estacionar no centro, errado é estacionar onde é proibido e certamente prejudica as pessoas. Será possível que as pessoas não conseguem enxergar que isto prejudica a todos? Resta saber quanto tempo a EPTC vai levar para resolver pequenos problemas como este, que se transformam em problemas maiores, num efeito borboleta do ciclo vicioso. Este é um sinal fechado para a bicicleta, que tenta, respira, mostra sua importância cultural, social, e econômica. A bicicleta entra em um túnel sem volta para o futuro, onde ela será sem dúvidas a maioria entre os veículos urbanos, mas para isto é preciso que as mentes se abram. De outra forma, a extinção humana será uma certeza muito maior.