sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Na rota das ciclovias... em Capão da Canoa!

Durante o carnaval estive em Capão da Canoa, litoral do RS.  Como é de costume, choveu aqui no Estado durante os dias do feriado, com direito a ruas alagadas e esgotos que transbordam. Isto é algo que se vê sempre nos centros das cidades costeiras do RS, em Capão parece ser muito mais evidente. Embora o turismo seja forte, com apartamentos da orla com valor de mais de 1 milhão de reais, a cidade ainda possui um sistema de esgoto como de uma favela. Choveu, transbordou! O mau cheiro é evidente em muitas ruas do centro. O que chama a atenção é a ciclovia, uma iniciativa positiva, embora precisando de muitos consertos e melhorias.  A ciclovia que acompanha o calçadão tem boa largura, permite o fluxo de bicicletas em sentido contrário por toda extensão. O problema são irregularidades do pavimento, caimento que impede o escoamento, e desrespeito por parte de pedestres. Há placas que proíbem o uso da bicicleta na calçada, conforme determina a proibição no CTB, porém não existe nenhum tipo de sinalização ou instrução que impeça pedestres de transitar na ciclovia. Não são raras as situações de movimento neste calçadão onde pedestres utilizam a ciclovia para deslocamento, também atravessam sem cuidado. A fotografia que comprova a junção de água da chuva foi tirada com tempo aproximado de 2 horas após a última chuva forte, descrevendo que o problema de escoamento que é evidente para aqueles que por ali passam. Como não se trata de uma uma ciclovia extensa, tampouco de uma ciclovia de trabalho, muitos parecem não se importar. Mesmo assim, exemplos como este devem ser evitados. Onde não há condições financeiras ou técnicas para a construção de ciclovias é melhor que não sejam construídas. Não esquecendo que na presença de ciclovias, torna-se obrigatório o uso das mesmas pelos ciclistas. Um ciclista pedalando pelo lado de fora desta ciclovia, mesmo que pareça de acordo, torna-se alvo de responsabilidade em caso de acidentes. Criticar é preciso, mas refletir, também!