quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

As reflexões de sempre... mudar o mundo!

Em pleno período de FMB (Fórum Mundial da Bicicleta), assusta o caos do trânsito ocorrido na tarde de ontem em Porto Alegre. Estava eu visitando clientes, me deslocando de um lugar para o outro nas proximidades do Parcão quando a chuva resolveu apertar feio. Trânsito trancado por um motivo que nem sei qual é... e logo fui surpreendido por uma rua baixa, cujo o volume de água acumulada assustava. Não era possível definir calçada e rua, exceto pelos postes e árvores. É tipo andar as cegas... Tampas de bueiros cuspiam água tipo ornamento, escondendo o perigo, principalmente para pedestres e motociclistas. Diante aquela situação, ficar preso ali e arriscar ter o carro engolido pelo volume de água que aumentava, decidi observar os mais corajosos ou com carros maiores, e tentar uma fuga. Passou um carro, com dificuldade, água quase no farol... Então, pensei. Vai dar... engatei a primeira e fui nela do início ao fim. Durante a travessia de uns 100 metros, quase desisti, percebendo que o carro afundava cada vez mais. No entanto, olhei para o espelho retrovisor, e dois motociclistas aproveitavam o abrir das águas produzido pelo meu carro. Não podia deixar aqueles viventes na mão... toquei, e vi o barulho do motor abafar. Passei, aliviado. Depois, escolhi caminhos altos... Chegando próximo da Avenida Neuza Brizola, fui obrigado a esperar, pois os carros faziam fila em um "trancamento" coletivo, devido a profundidade que ocorria no cruzamento. Durante este período, ouvi no rádio que um taxista havia se afogado. Não dizia a causa, mas acredito que o pobre homem tenha se desesperado e "tido um treco", afogando-se. Quem diria que em plena Voluntários da Pátria, alguém se afogaria? Pq? Posteriormente, escutei no rádio que alguns ciclistas pedalaram pela chuva, de forma tranquila, sem o medo de perder seus veículos. Carros se afogam, bicicletas, não! Acho que bicicletas podem ser usadas em até um metro de água, não vejo problemas grandes nisto, exceto pelo prejuízo dos tubos internos, também para os sistemas de movimentos lubrificados. Os movimentos perderão lubrificante iniciando um processo de corrosão de componentes tão importantes a bicicleta. E a culpa é de quem... a culpa é de todos, mas a responsabilidade é das prefeituras, governos, assalariados para executar melhorias que não acontecem nunca, ou que são extremamente mal planejadas. Quando este povo vai acordar... paguei cerca de 400 reais pelo IPVA de um automóvel com mais de 4 anos, e que não tem nem mesmo luxo. Para onde vai este dinheiro, arrecadado deste e de toda a frota veicular brasileira? Para o bolso dos políticos, cargos de confiança e funcionários comodistas. Em Porto Alegre estamos sempre despreparados, tudo é imprevisível numa cidade onde os responsáveis não enxergam 1 palmo diante do nariz! O desabafo na pergunta com resposta! "Prefeito... tá achando que sou trouxa?" Sim, sou... sou culpado por você, inútil, e todos estes demais farsantes que se dizem representantes do povo. Votamos e suportamos um sistema falido, garantimos o pão de cada dia de políticos nojentos, desmerecedores do valor pago, e principalmente desmerecedores da confiança que atribuímos a eles. Enquanto isto, ficam cheios de voz macia, alegando e prometendo melhorias irreais. Digam  isto ao Taxista, que faleceu... ou melhor, a sua família. Faltou muita coisa... mas faltou principalmente, competência e ética! Mudar o mundo pode não ser possível para um blogueiro de merda como eu, cuja a arma é a ferramenta de eternizar momentos (máquina fotográfica), mas posso dizer a verdade, e obrigar os responsáveis a dormir com esta. Minha indignação é o arroz azedo que terão que mastigar... leva esta!