segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

A fotografia e o tempo que ganhei...

    O curioso sobre a vida é que você pode fazer o que bem entende da sua, porém toda decisão acaba fazendo parte do resultado que você atribuiu a estrada construída. Teve um tempo em que me perdi por entre os grãos de areia que estavam no caminho. Sim, existiu este período onde as dúvidas me deixaram sempre sem um rumo. Prova disto que comecei e não concluí duas faculdades que iniciei. Lamento por não ter feito as melhores escolhas profissionais em tempo hábil e relativo a minha necessidade, porém afirmo que cada passo, sendo precoce ou tardio, levará você ao lugar que um dia lhe cabe. Levei muito tempo para entender que o meu relógio sobre as decisões da vida não eram sincronizados com as pessoas que me cercavam. Isto não fazia de mim melhor, nem pior que eles... também não fazia deles pessoas menos importantes ou relevantes na minha vida. Cada vida que cruzou meu caminho, levo a parcela de aprendizado, de carinho, e de necessidade para a minha evolução. O tempo é um fenômeno incrivelmente inexplicável, e o que posso dizer sobre isto? O tempo é um fato ao qual estamos submetidos, mergulhados! Nele, vivemos as etapas, "um dia de cada vez", pela intensidade que for necessária. Verdade que algumas pessoas acabaram gastando o seu tempo com coisas erradas, hoje, olho por cima do ombro, espiadela para o passado, e vejo que alguns amigos e colegas se perderam. Se perder no tempo é o mesmo que ficar parado, deixar de crescer, deixar de evoluir. Alguns ficaram para trás, alguns poucos se meteram em confusão, outros simplesmente acabaram. Este é o ônus da vida, se você fizer mau uso dela, perderá muito. Perderá algo que não é muito perceptível neste momento, mas que fará falta em teu futuro. A fotografia respingou em mim em muitos momentos... quando criança, depois na adolescência e no comecinho da vida adulta. Eu não estava pronto para ela! Ela passou várias vezes, e a perdi... Contudo, tudo foi diferente por esta perda, e nem por isto foi negativo. Eu precisava viver aquele momento, e então, ali, eu ganharia mais um degrau para chegar exatamente onde estou. Onde estou? Estou em mim... nem menos, nem mais, simplesmente eu! Alguns pensam que as decisões erradas são tempo perdido, mas eu não acho. Acho que cada dor, cada momento incomodo, cada situação de fracasso, levará você a um patamar de maturidade que não pode ser superada de forma alguma pela teoria. A fotografia bateu na minha porta, um pouco depois que eu descobri que podia escrever... eu queria ser um eternizador do tempo, mas antes disto, descobri que possuía grande capacidade crítica. Cá estamos, eu, você, olhando para frente, e quando parados na brecha do tempo, olhamos para pessoas que se perderam. Algumas, podemos ajudar, outros, precisam fazer isto por si próprias, pois o tempo de cada um, cada um tem em destino. A maturidade virá, mesmo que tardiamente. Quando penso no tempo, penso nesta oportunidade de convívio com o amigo pescador lá de um lugar esquecido pela civilização. Consertar a rede requer "tempo", não é nada criativo, mas oferece um espaço temporal para reflexão que leva a maturidade. Um nó por vez, um passo por dia, um amanhecer pensativo. Quando penso em em fotografia, e o quanto demorei para chegar até ela como profissional, penso no tempo em que ganhei. Ganhei tanto... ganhei amigos, reflexões, oportunidades de visitar lugares e pessoas. Será que a vida precisa construir um sentido, ou ela busca fazer sentido por conta? Esta resposta deixo pra você, pq tenho certeza que ela virá com o tempo que cabe a você, de uma maneira que jamais viverei. A vida e o tempo são únicos para cada um!