terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Reflexões de fim de ano... só pra não perder o hábito!

Caros amigos, leitores, seguidores, colegas, ciclistas ou sonhadores. Sempre há por onde começar. Muitas vezes nos deparamos em momentos de reflexão, receio, ansiedade, e até esperança. Isto é o que o sistema faz com a gente. Criamos expectativas sobre a vida, sobre o trabalho, e sobre o clima. Neste último, acabamos de perceber que para qualquer dos três ou outros existentes não há como colocarmos tanta certeza. As variáveis da ciência matemática não serve para complexas razões de terceiros que regem nosso mundo e nossas aspirações. Acho que Deus, ou Zeus, Alah, ou qualquer outro nome dado a um criador, tenta nos orientar sobre a face da terra, muitas vezes em vão. Cometemos erros, ou cometem erros com a gente. Algumas pessoas acham engraçado quando digo que me sinto mais experiente com 36 anos, achando que 3 dúzias de anos de vida não representam tanto assim. Gosto de lembrar que o tempo é o mesmo para todos, mas as vivências não. Alguns sabem o que acarreta o erro, outros continuam arriscando no erro, outros nem tentam mais errar. Tento acertar, muitas vezes, erro! Nos meus erros, posso dizer que fracassei em amores, amizades, nas carreiras anteriores, em trabalhos e principalmente nos estudos. Levei comigo cada minuto perdido, marcado pelo erro, também pelo acerto. Nas amizades que perdi, lamentei. Nas amizades que guardei, relembro o sorriso do amigo. Aprendi tanto nos últimos dois anos, reflexões sobre os 34 anteriores, obviamente. Ainda vejo muitas pessoas errando, pessoas bem sucedidas... pessoas que tem um amor e um bom trabalho, mas poucas amizades verdadeiras, ou simplesmente valores menores que a conta bancária. Não será Deus, nem Zeus, muito menos eu, este alguém a julgar. Apenas, reflito em voz alta. Para todo ser humano haverá uma trajetória, nesta, estará alto ou baixo. Talvez tão alto quanto o bondinho, talvez goste de ver as pessoas ao pé da estrutura. Tanto faz, se há ou não humildade, quem perde é justamente quem não a tem! Como? Simples... você que é um cara legal, gosta de pessoas arrogantes? Você acha que as pessoas se aproximam uma das outras em mundos assim pq não há interesse, apenas amizade? Simples assim...
Gostaria de deixar esta oportunidade de reflexão para quem quiser. Sem compromisso, sem concordância, sem intenções! Deixo aqui, um céu azul, um alguém nas alturas que viaja sozinho por uma fina linha que por vezes se rompe. A fragilidade dos elos da corrente da afetividade é minimizada com comportamentos que geram confiança, construída com amizade, saúde, e bons atos. Palavras, ditas ou escritas, são avaliáveis. As não ditas, não dizem nada... apenas garantem um vazio, do qual fazem parte os insalubres gananciosos. Faça de 2013 um ano para valer a pena... valer a pena não é trocar de carro! É fazer um amigo passeando de bicicleta, ou simplesmente provando para ti mesmo que a vida saudável garante não a sonhada longevidade, mas uma qualidade que somente os bons administradores do corpo conseguem. Fiquem em paz neste final de ano, cuidem com o trânsito (esta louco outra vez), e criem planos baseados em crescimento interior. O resto, a gente colhe...  abraços do Andarilho.