segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Giant Cadex... túnel do tempo!

 Estes dias passei no Dudu Bike pra bater o ponto e dar uma olhada se tinha algo diferente por lá. Para minha surpresa, ele havia vendido uma bicicleta e na troca recebeu esta Giant Cadex. A bicicleta esta muito bem conservada, principalmente se tratando de uma speed de competição e fabricada em carbono. Na década de 90 esta foi uma das primeiras speed de baixo peso que apareceu por aqui. Note que ela possui ainda grande parte dos componentes originais. 
O grupo que esta nela é nada menos e nada mais que o top da época, um shimano Dura Ace, cobiçado por todos. Dá pra perceber que pela linha de construção do cambio traseiro, se trata de um conceito que  evoluiu bastante se comparado aos primeiros, e que esta muito distante dos atuais. Não deve nada a um bom câmbio atual, pode não ser tão rápido como Dura Ace moderno, mas para saudosistas isto é um prêmio, e não um ônus.
As únicas peças que não são originais e que chamam a atenção por isto, seriam os aros, mesa e os STI. Infelizmente, os STI são os primeiros componentes a ir para o pau. Não digo que foi o caso desta, mas talvez uma batida de frente ou de lado com o STI, ou simplesmente a quebra de uma mola de retorno do sistema, seria motivo suficiente para que fossem substituídos. Tentei lembrar se esta bicicleta vinha com STI, mas não tenho certeza de que sim. Talvez viesse com shifters de downtube.
Era comum nesta época o tradicional sistema de trocador de marchas de downtube, aquelas "palanquinhas" cujo o lado direito era indexado, e o esquerdo "liso" ajustável. Me permito dizer que gosto muito do antigo sistema, principalmente no meu caso, já sou um amante do old school, e não realizo competições de qualquer natureza. Acho que esta questão do clássico tem um romantismo nas bicicletas que era uma coisa que inexistia antes. Algo que se criou com o tempo... chamam de vintage.
Estranho é pensar que algo moderno na época, com o passar do tempo, ganhou atenção como algo "estiloso" pq ficou ultrapassado se comparado a atualidade. Isto é complicado de compreender. Hoje, as vemos road bikes com desenho slooping... acho terrível este desenho para uma bike speed. Talvez pq seja eu um ciclista da década de 90, cujo os frames era nitidamente uma evolução das décadas anteriores. Na atualidade não dá pra dizer que as speed pertecem a mesma linha. 
As atuais road bikes simplesmente surgiram, como se houve uma lacuna a ser preenchida pelas tendências atuais. O desenho quase que derivou de mtbs, cuja prioridade principal era o sprint notável pela geometria. E nos tempos anteriores, as bicicletas se pareciam mais como as atuais bikes de contra relógio. Não estou afirmando que é assim, mas estou dizendo que é isto que me parece. Já conversei com ciclistas da época, e alguns deles tem a mesma impressão. 
Então quando cheguei na loja e vi esta maravilha da tecnologia, direto do túnel do tempo, bateu um sentimento muito antigo sobre estas velhas guerreiras do asfalto. De um tempo que não volta mais, fiquei a refletir, avaliar, comparar. Não resta dúvida que uma bicicleta atual de nível mediano é tão rápida quanto esta top de época, mas não é isto que conta aqui. É como falar em alguém que tem metodologia, e alguém que simplesmente executa ou preocupa-se diretamente com o resultado. O tempo é um dos fenômenos mais especiais, pois ele nos remete ao futuro baseado nas experiências do passado, comparadas ao presente. Somente um insensível esqueceria que uma cadex faz parte da história, parte das bikes que hoje voam nas pistas. Ela é uma avó das bicicletas, mas um dia ela foi jovem, e rasgou o asfalto como as bikes de hoje. Não tão rápido, mas mais rápida que as demais de seu tempo. Isto é história!