quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Bike Expo 2012... Na era das dobráveis!



Todo assunto que surge como uma verdade pode ser polêmico. Tenho sempre muito receio em falar sobre as verdades, justamente a verdade de um pode ser questionada nos olhos de alguém que vive outra forma de pensar bicicleta. Sempre questiono os extremismos, pq é incoerente impor situações a esta ou aquela pessoa como uma verdade. Prefiro pensar que somos seres autônomos (em teoria) capazes de tomar decisões sem ofender, machucar ou prejudicar a quem esteja ao lado. Acabei me estendendo em uma assunto sobre direitos e deveres, também sobre opções, mas o tema do post é a era da bicicleta dobrável. Nos grandes centros, onde os apartamentos são cada vez menores (tem gente que acha isto bonito!), as pessoas buscam alternativas viáveis para ter uma bicicleta. Hoje, penso que existe uma bicicleta minimalista que pode ser a single speed, e que ela é uma grande alternativa em termos de mobilidade. Acredito que ela a Single speed (também a fixie) é a opção de mobilidade que divide um mercado com as dobráveis. Nem todo mundo tem espaço em casa para ter uma single, mas muitas vezes uma dobrável cabe embaixo de uma mesa, ou ao lado de um armário. Até mesmo atrás de um porta que não abre completamente! Claro que as fixas podem ser penduradas, mas talvez este proprietário não ache que seu veículo combine com a decoração do apartamento, e estamos a falar de algo tão pessoal como escolha de cuecas ou calcinhas! 
Já fui um proprietário de uma Dahon, seria outra vez se encontra-se a bike certa... Na verdade, diferente de uma MTB que serve para encarar um jornada ciclística de forma muito melhor que uma fixa ou uma dobrável, cada design e projeto possui sua finalidade. Não cabe a nós julgar, a não ser que seja para nós mesmos! Esta é um preocupação que tenho, cada vez que entro no facebook encontro pregações que não se restringem a religiões e política. Na Bike Expo havia muitos modelos de dobráveis, dentre eles, uma grande semelhança... em sua maioria, articuladas sempre no mesmo lugar, mais ou menos na metade do que seria o top tube. O único problema de uma dobrável, ao meu ver, é que acima de 40 km/h ela se torna perigosa para o condutor. Primeiro pq possui rodas pequenas (12", 16", 20") e as mesmas sentem muito mais os buracos. E segundo pq a manobrabilidade e os centros de forças são completamente afetados em termos de estabilidade. Definitivamente, dobráveis não foram feitas para altas velocidades, arriscar é por conta de seu proprietário. Devemos saber o uso correto de cada proposta. 
Logo vai aparecer alguém dizendo que existem dobráveis de 26 polegadas, mas aí eu digo... não faz sentido nenhum! É mais ou menos comprar um veículo 4 x 4 para usar somente na cidade. Ou melhor, usar uma speed para andar no chão batido. Novamente, cada louco com sua mania... respeitar é preciso para viver melhor, a bicicleta nos ensina isto! Este tópico tem muito assunto... talvez escreva mais sobre isto. 

Roberto Furtado