quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Automóveis são armas... se em mãos erradas!

foto meramente ilustrativa

Foi durante um almoço, acompanhado de amigos que trabalham próximo,  que percebi a importância deste posicionamento. É possível que muitas pessoas pudessem abordar este assunto de forma mais impactante e produtiva, mas como minha forma de pensar é não extremista para qualquer lado, acredito que este direito me seja dado e creditado por aqueles que passam aqui diariamente. Falando em bicicleta, um dos amigos presentes na mesa, falou: "Andar de bicicleta é perigoso!"
Na mesma hora isto tornou-se um motivo para eu explicar... andar de bicicleta é tão perigoso quanto andar de skate ou a pé pela calçada passeio. O que torna perigoso nossa existência nas ruas são os motoristas que andam de carro excedendo velocidade regulamentar ou dirigindo de forma imprudente. Bêbados, rachadores de asfalto, e outros psicopatas do trânsito que fazem da vida alheia a grande loteria. O risco sempre é de quem esta a pé ou de bicicleta. Quando alguém entra para dentro de um veículo, assume a responsabilidade de não matar alguém enquanto estiver dirigindo. É um fato subentendido que o motorista assume... ao sentar no volante, ele pode escolher respeitar as pessoas, conduzir de forma prudente e desta forma diminuir estes riscos, ou assumir a bronca. Se ele assumir a bronca, logicamente quem perde é quem esta fora do veículo... e que caminha em velocidade onde a única vítima será uma formiga acidentalmente esmagada pelo sapato.  Se banalizou a questão de que as vítimas, pedestres e ciclistas, são responsáveis também! O motorista senta em seu carro potente, cheio de recalque e problemas criados pelo próprio estilo de vida, e pisa fundo em seu carro que anda a 80, 100, 120 e em outros vários casos a 150 km/h. Quem anda nesta velocidade é um assassino que brinca de arriscar a vida alheia, e certamente ainda vai achar que não teve culpa, que vive honestamente pq tem família e e filhos, e que tudo não passa de injustiça. E a família que ficou com a perda? Esqueceram de dizer que João jamais dirigiu um carro, pq quando criança viu alguém ser atropelado, e jamais quis assumir esta responsabilidade. Pagou ele pelo risco que o dono daquele Toyota assumiu... na via de limite 60km/h, estava o condutor a 90km/h. Em mãos erradas, automóveis são armas como pistolas, onde o gatilho é o acelerador, e a vítima sempre se encontra em condições indefesas.

Roberto Furtado