sexta-feira, 10 de agosto de 2012

A metalurgia e a sustentabilidade - Bicicleta ecológica! Parte 1

fotografia: Roberto Furtado

Esta abordagem sem dúvidas é polêmica... Antes de começar, gostaria de lembrar que este blog é autônomo, sem fins lucrativos, e baseado em experiências e vivências pessoais. Sendo assim, ele terá sem dúvidas um peso pessoal de seu idealizador, neste caso, este que vos escreve mais uma vez. O aço é um dos materiais mais antigos manipulados pelo homem... lembro ainda de algumas palavras do professor Serginho, da disciplina de Aços e Ferros Fundidos. Serginho já não esta entre nós... então eis que explico a passagem de tempo e a relativa intimidade que tenho para com o Aço, material que mais admiro nesta vida. A composição do aço é tão versátil e possível que temos inúmeras ligas e combinações destas. Talvez o aço seja um dos materiais mais ricos do mundo em termos de propriedades. De acordo com sua finalidade, ele assume um papel que pode ser do "ferro" mais duro e quebradiço do mundo, ao mais macio (mole e deformável) ou ainda, o mais flexível... a exemplo de molas de veículos. Afinal... falamos de Fe ou de Aço? O Fe é um elemento que se encontrado na natureza com ausência total de outros elementos, em sua pureza, tem pouca finalidade tecnológica. Quando o Fe é combinado ao Carbono, e a outros elementos, recebe o nome de Aço. Então, Fe + C = Aço! Conforme o percentual de Carbono é adicionado na composição do Fe, torna-se este um aço mais resistente e manipulável quanto as suas propriedades. Hoje temos aços diversos, em alguns exemplos de SAE 1020, 1045, etc A manipulação térmica desta combinação do Fe + C, gera estruturas capazes de alterar a resistência e outras propriedades. Por isto, frames fabricados com aço de melhor qualidade, tendem ser mais resistentes, mais leves, mais confortáveis, pois é possível escolher para que lado o fabricante desejaria projetar um frame. Na atualidade, sabe-se que as bicicletas mais comuns do mercado são fabricadas em aço, possivelmente um 1020 (baixa qualidade), contudo, frames de qualidade são fabricados em Cr-Mo, que é justamente uma liga de AÇO com percentuais de cromo + molibdênio. Nesta liga de Cr-Mo existem diversas possibilidades de combinação, que vão desde propriedades resistentes a corrosão, a elasticidade, durabilidade, redução de peso por massa, dentre outras possibilidades. Embora a grande maioria das pessoas estejam procurando pelo material alumínio, este possui características inferiores ao aço no que diz respeito ao projeto de bicicletas. Dentre eles esta o fato de que bicicletas de alumínio serem muito mais duras (já andou numa bicicleta de alumínio sem suspensão?), menos resistentes ao processo de fadiga, difíceis de soldar com perfeição (isto já esta meio superado), aparência inferior em acabamento, etc Se tratando de fibras Carbono ou até mesmo do elemento Titânio, sabemos que os frames passam a ser caros, e nem sempre viáveis. Neste momento, cabe-nos refletir sobre o uso que daremos a bicicleta. Comprar um frame de carbono para dar voltinhas na quadra... pode ser uma opção, mas não é muito necessária. Já viu alguém derrubar algo pesado sobre um frame de aço? E sobre um frame de carbono? Carbono é material de competição, Titânio idem... o alumínio é viável, ocuparia uma lacuna entre Aços e Carbono! Considerações a fazer para compreender o uso, esta é a proposta deste blog. Se você refletir, fará uma compra segura, eficiente, consciente! Se puxarmos a brasa pro lado da sustentabilidade, então estaremos nos preocupando com questões importantes. Vai haver quem diga que o ideal é uma bicicleta de Bamboo, de madeira, e até mesmo de papelão... e para não estender demais este post, entrarei neste assunto na continuidade! 

Roberto Furtado