segunda-feira, 23 de abril de 2012

Se eu posso... você pode também!


O exercício de boas ações é um ato que se inflama dentro de nós mesmos. Fazer algo bom aqui, ali, e de naturezas diversas pode ser uma semente de uma árvore que fica de testemunha da passagem das gerações. Não é mesmo? Fazer algo simples como juntar um papelzinho no chão da empresa onde você trabalha pode chamar a atenção, contar pontos para você em relação ao superior. Pode também tornar-se um hábito, e ocorrerá naturalmente uma feliz atitude que será percebida por vizinhos, amigos, filho... etc. Isto vai ser um trabalho de longo prazo, mas eu garanto que você vai sentir-se melhor como ser humano. Aliás, este dom é natural em ciclistas, pq a preguiça é muito menor nestes. Seja pq não são sedentários, ou simplesmente pq a genética destes quis que assim fosse. Não há como dizer que não... ciclista, em sua maioria é assim, e ponto final! Há aqueles que são egoístas, sim... há! E onde não existe este perfil de humano? 
Prestando serviço fotográfico para o Shopping Canoas, necessitava fazer foto da fachada. Então, como habitual, olhei a volta para ver o que poderia contaminar minha foto. Havia bitucas de cigarro, papéis de bala, nota fiscal rolando... Juntei tudo. A menina do Marketing olhou aquilo... e acho que de início quase não entendeu. Então registrei... uma imagem sem poluição, vale mais umas 1000 palavras. Então lanço esta reflexão... desafio você que não joga papel pela janela do carro, a juntar alguma coisa do chão. Colocar no lixinho pode ser um ato visto por terceiros... e talvez, se existir alguma virtude neste país, então teremos salvação. 
Roda pra frente...

Roberto Furtado