sábado, 31 de março de 2012

Ciclistas "retiram" britas - Mobilidade Urbana de POA

Fotografia: Diego Vara / Agência RBS
Esta aqui eu perdi... A turma do POA Bikers retirando britas com as mãos do que seria a ciclovia/calçada e única alternativa de passagem que existe em frente ao Iberê Camargo. Aliás, faltou esta parte... o moderno, "bem executado" projeto do Iberê com contraste bem a sua frente, de uma mobilidade nada urbana. Como é boa administração do trânsito, vias e passeios de Porto Alegre! Cartão postal sem mobilidade... 
Parabéns aos meninos... Leandro, Mateus, Inácio, Carlos, etc.

Roberto Furtado

quinta-feira, 29 de março de 2012

Quando surgem mitos...

Lucas Bertol
Quem não pensa em ser melhor em algo? 
Quando crianças, acordamos pra vida da sociedade e descobrimos aos poucos se somos ou não bons em alguma coisa. A gente vê os amigos, colegas, vizinhos, por vezes mais velhos e logo pensamos: "Queria justamente fazer igual!" 
Parecido é também quando assistimos um filme de super herói, tal como Batman ou Homem-Aranha. Nada mal fazer algo extra sobre os demais mortais. O poder de sermos "algo" mais é da natureza humana, superar é um desejo diário que nos envolve na vida profissional, estudantil, ou em outro "algo" de que gostamos muito. Tem algum tempo que tenho fotografado as provas da FGC e outras que ocorrem no mundo da bicicleta. Nesta tal bicicleta, meninos jovens, meninos grandes parecem mudar de fantasia quando nela estão. Subir na bicicleta desperta um sentimento de super poderes, talvez verídicos, talvez fictícios! Se percebe bem isto na maioria, ciclistas veteranos, também na categoria master, e muito mais na Juvenil. Talvez a idade que chamam de inconsequente, seja também o elo da superação. Apenas uma suposição! Teve um tempo em que eu me sentia assim, claro que dentro das minhas limitações, como todos possuem. Superar-se é sempre uma meta humana daqueles que querem ver depois da curva. Aonde vai dar esta estrada, ou esta descida? Como chegar mais rápido? Consigo me superar? É possível superar os demais? Estas perguntas estão todas ligadas ao novo, ao desafio, a superação, a vontade crescer!
Na última prova de Downhill, eu e muitos outros percebemos o evidente! Cada ciclista que descia o morro, batia ou quase batia o tempo do ciclista seguinte. Foi notável! Meninos talentosos... muito talentosos! Vários ali vão para o Mundial e outras provas, mostrarão que são a nata do DH. Elitizados, com humildade, amizade, companheirismo! Assim é o DH gaudério...
Durante a prova, ouvi pessoas, espectadores e pilotos. Algumas vezes, das bocas saia um nome... Bertol, Lucas Bertol! Mesmo nome que se confirmava campeão da categoria mais rápida, a Elite. De um dos meninos na trilha, e de outro colega, escutei atento as palavras. Um deles disse: Lucas com bicicleta nova passa tão rápido e macio que ninguém escuta ele passar! Quando vê já passou!", o outro complementava... "Cara, Bertol é um fantasma!" Nas palavras de colegas que reconhecem o talento de um piloto. Considerações de cada um, de certo um excesso, acredite e veja quem quiser como quiser... para mim, Lucas é um herói do DH, alguém que têm um talento especial. Sim, ele é um ciclista com este "algo" mais que todos quereríamos ser. Tornara-se um mito das pistas de DH. Assim nascem os mitos...

Roberto Furtado

terça-feira, 27 de março de 2012

Outro you tube... TRE3E Fixed!


Na febre das fixed bikes ou fixie, ou seja lá como queira chamar a onda da bicicleta sem roda livre de única relação, segue um belo video desta mania que bomba há tempos nos países desenvolvidos. E também em não tão desenvolvidos... aqui é muito atrasado mesmo! Agora que o Brasil acorda para uma história com a bicicleta. E perpetuar a idéia, semear no coração de outros, isto é uma tarefa de todo biker, todo cidadão que acredita na tal magrela, seja ela uma fixa, um mountain rígida, full downhill ou AM, ou uma barra circular. O importante é ter um ideal, um conceito de vida para talvez deixar um legado. Ou simplesmente um mundo um pouco melhor. Ou não seria muito egoísmo vir ao mundo apenas para "sugar"? 
Roda pra frente... e bom video!

Roberto Furtado

segunda-feira, 26 de março de 2012

2ª Etapa do Campeonato Gaúcho de Downhill - Imagens





Como era de se esperar o Downhill de Pinto Bandeira foi emocionante com cerca de 200 pilotos inscritos. Para quem foi assistir, não havia tédio. Era um pulo atrás do outro, tombos, feitos sensacionais! Pra felicidade de todos, a chuva prometida pela previsão não mostrou a cara. A pista já era difícil suficiente para a turma despencar ladeira abaixo. Alguns trechos de tão técnicos, exigia uma sequência de treinos na tentativa e erro até acertar. A gurizada que estava lá era show de roda e de parceria. Garotos modestos, alegres, e peritos! Tivemos acidentes bem feios, que em sua maioria não terminaram com maiores consequências. Acredito que o pior caso tenha sido do ciclista e amigo Rodrigo Lunardi Carreño, que fraturou a tíbia e a fíbula. Casos como este acontecem, mas como diz o próprio Carreño: "O prazer da adrenalina supera qualquer dor!" Que seja breve a recuperação, estaremos todos torcendo por isto. Segue o link com as imagens da prova (502 fotos).
E roda pra frente, pq agora nos resta esperar a próxima alegria do DH em São Vendelino, no dia 28 de Abril.

Roberto Furtado

O aumento da espiga, motivos, mistérios e riscos - 3ª Parte



Uma continuidade bastante distante do último post, mas como sempre, o grande vilão é o tempo. A gente precisa de muito tempo disponível na atualidade... não se consegue fazer tudo, e é preciso dar prioridade para alguns assuntos. Hoje a tarde, me colocarei a tratar as fotos da prova deste Domingo (downhill de Pinto Bandeira). Entre uma obrigação e outra, um passeio de bike, um passo mais em algum projeto em andamento. Agora são as aulas que me tomam tempo, também trabalhos da faculdade. Trabalho sempre é trabalho, mas como geralmente é algo mais rotineiro, então se torna mais rápida a execução da tarefa.
Sobre o assunto do post, na primeira etapa, post 1ª parte, descrevo cuidados e abordo motivos. acima duas imagens onde na primeira é feita a apresentação do material (um garfo), detalhado no post 2ª parte, com corte e embuchamento bastante visível para não gerar maus entendidos ou erros na execução. Fiz um link dos posts na citações respectivas, facilitando a pesquisa e melhor compreensão da sequência. Na segunda imagem deste post é possível observar o detalhe da solda. Neste ponto, tempos o garfo fisicamente finalizado, exceto pela pintura. Gostaria de levantar uma importante questão de que a solda utilizada, para fiz de excelência da união, foi TIG... única maneira de garantir que um cordão de solda bastante fino permitisse a segurança do resultado. Não esqueçamos que a solda aparenta ser união entre dois tubos, mas na verdade ela une 3 tubos, sendo este terceiro a bucha que garante alinhamento e reforço de rigidez localizada na região da solda. Pretendo fazer mais uma postagem sobre este assunto, onde o garfo será pintado e aplicado em uma bicicleta. Neste próximo post, será abordado um assunto sobre inspeção do material.
Finalizando o post, já em assunto não relativo ao mesmo, e apenas aproveitando a questão da imagem, faço referência a folha de ipê ao lado do garfo. Uma folha seca, foto recente... tirada agora com a chegada do outono, onde as árvores perdem suas folhas. Há poesia até mesmo em mês estranho como outono. Sentir e perceber estas mudanças da natureza é algo extremamente biker... todo ciclista deveria apreciar detalhes tão despercebidos.
Roda pra frente...

Roberto Furtado

sábado, 24 de março de 2012

Um passeio ciclourbanístico em Porto Alegre...



Um grupo de ciclistas reuniu-se nesta manhã de sábado ás 10:30 junto da Usina do Gasômetro para realizar um passeio. O passeio teve a iniciativa de Arquitetos Urbanistas em conjunto com cicloativistas. O passeio é uma manifestação pacífica divertida e saudável com o apelo pelo andamento da ciclovia da Avenida Ipiranga. Como todos sabem, rodeada por polêmicas, a ciclovia anda em ritmo completamente desacelerado. Nem anda, nem desanda... banho maria em fogo desligado!
Estive lá para conferir e encontrei amigos, colegas, cicloativistas que sairam junto no passeio pela cidade de Porto Alegre que completará 240 anos no próximo dia 26 de Março. Me parece que uma cidade tão antiga deveria ter mais infraestrutura para as pessoas, especialmente nos assuntos que dizem respeito a mobilidade urbana, saúde e outros de extrema importância... não?
Roda pra frente...

Roberto Furtado

sexta-feira, 23 de março de 2012

6ª Edição do Brique da Bike - 15.04.2012


Andei comentando com alguns amigos sobre o brique da bike, não estava certo da data, mas agora vai a informação correta. É dia 15 de Abril, na cidade da bicicleta, na Rua Marcílio Dias 1091, Menino Deus, Porto Alegre. Esteja atento para este evento, pois você compra, vende e troca peças. Quem vai lá sempre faz um bom negócio. Se arruma do moderno ao old school, normalmente e boas condições. "Aquele componente que você não usa mais, serve para outro ciclista!" 

Roberto Furtado

Iroman... um evento e tanto!


O destaque de todo evento é a estrutura, o clima criado para os visitantes. Um cenário como do Hawaii pode ser quase suficiente para ser palco de uma grande prova. Contudo, sabemos que toda infra conforta, cria um clima. E também é de se pensar que parece que pensam em tudo nestas provas. Há segurança como não se vê em provas brasileiras. Lá estão não só grandes atletas, mas grandes profissionais que darão qualidade ao atendimento que for preciso... médicos, enfermeiros, colaboradores diversos, heróis entre heróis. Talvez o homem não seja tão limitado como pensei! 
Durante o video, vi também um caminhão cheio de fotógrafos e outros profissionais da midia... aqui ninguém investe em profissionais assim, nem em médicos, nem em fotógrafos, talvez, nem mesmo em grandes atletas. Coisas de terras brasileiras...

Roberto Furtado

quinta-feira, 22 de março de 2012

Dia Mundial da Água

O 22 de Março marca o dia mundial da água. Não divulgar este seria fechar os olhos para problemas do contidiano com relação a qualidade dágua.
Bom, que outra forma de expressar o desperdício do que uma torneira mal fechada. Uma torneira que pinga é também uma fonte de vida que se perde. A água abundante que temos aqui no Brasil e em outros países da América Latina é um precioso "material" que pode ser vendido ou simplesmente doado... mas jogar fora é o mesmo que contar dinheiro na frente de pobre. É tipo esnobar uma boa sorte. Meu sonho era morar pra fora, num lugarzinho que sei onde é, mas nunca compartilho... na condição de ex-criador de peixes, ambiciono um dia fazer novamente algum tipo de produção com água. Não penso exatamente em cifras, penso em satisfação e bem estar. Este lugar que descrevo é um tanto quanto seco por cima, e abaixo do solo esconde uma enorme quantidade de água... um projeto seria transformar um campo aberto seco, em um grande banhado. Assim como fez Lutzenberger, mentor da Fundação Gaia, ambientalista de coração. Em uma das reportagens que cercara a vida deste curioso e nobre cidadão, fiquei sabendo de um lago a beira de um sitio que ele possuia. O lago se formara de uma mina extinta... e agora ali viviam peixes, e todo tipo de ser vivo que normalmente há em um banhado. Ali ficava ele sentado, observando as traíras investirem contra cardumes de lambaris, bem como tudo que ciclava em vida no lugar. Bom, e o que isto representa? Isto representa vida, uma vida boa, coerente, produtiva e saudável... uma vida feliz. E para isto, precisamos de água. Água que esta cada vez mais empregnada de substâncias prejudiciais a nós, ao ambiente, ao sistema. Vamos cuidar da água... pense a respeito e tente aprender como evitar diversos maus hábitos em relação a água. A torneira pingando é simbólica, mas a água precisa ser poupada no sentido de não ser acrescentada com nossos lixos. Largar óleo de cozinha no ralo da pia, por exemplo, é um dano muito grande. Procure saber mais...

Roberto Furtado

Final de semana de Downhill em Pinto Bandeira


Neste "finde" tem Downhill em Pinto Bandeira... Sábado de treinos e Domingo pela manhã também, e Domingo a tarde rola a prova. A segunda prova do Campeonato Gaúcho de Downhill contará com pilotos experientes de RS e SC. Com a previsão do clima instável, a preocupação passa ser a chuva. Se chover, dizem os experientes, vai ser um festival de tombos. A pista é difícil, muito mais íngrime que as demais. Com ou sem chuva, o espetáculo estará garantido em mais uma prova da FGC. Vejo vocês lá... Roda pra frente!

Roberto Furtado

Brigada Militar atropela ciclista em Porto Alegre

Fotografia: Ronaldo Bernardi / Agência RBS
Ontem pela manhã um veículo da Brigada Militar acidentalmente colidiu com um ciclista. Segundo informações da Zero Hora, o ciclista foi atendido imediatamente e recebeu os cuidados no hospital Cristo Redentor, na Zona Norte de Porto Alegre. Acho curioso que um veículo de um orgão que deve servir o povo atropelar um ciclista. Sendo prudente, apenas podemos esperar por mais alguma notícia sobre o assunto. Dá apenas para dizer que foi descuido do Policial, já que certamente não houve intenção. É necessário ressaltar que ciclistas e pedestres são sempre alvos fáceis no trânsito. O motorista deve sempre estar atento, pois a vítima sempre será aquele que não esta protegido pela a armadura do veículo. Fisicamente, a massa do veículo é imbatível em relação ao corpo do ser humano desprotegido. Isto não é novidade alguma, mas o comportamento de ciclistas, pedestres e motoristas garante que a maioria não se comporta de forma preventiva. É uma pena abrir o jornal e ler este tipo de coisa... Esperamos que o ciclista esteja bem, e que o policial tenha uma boa desculpa.

Roberto Furtado

quarta-feira, 21 de março de 2012

Revista Bicicleta... muito sobre BMX na edição 015! E muito mais...


A edição 015 da Revista Bicicleta traz um conjunto de matérias sobre o BMX. A revista deste mês é praticamente um especial do BMX, mas de forma alguma abandonou assuntos importantes como do acidente envolvendo Juliana Dias, ou Downhill Urbano de Santos (de Álvaro Perazzoli), testes de componentes com imagens (de Pedro Cury), ou ainda sobre o trabalho exemplar de ciclocidadania do Professor sobre rodas (de Therbio Felipe). Estes colegas tem desempenhado um papel ímpar na história da bicicleta e suas relações. E por isto, com toda certeza, a revista tem sido apontada como a melhor revista do mercado brasileiro. Me orgulha muito ser parte desta equipe e de conhecer estes colegas. Destaque especial ao amigo Therbio, por um trabalho que reflete em um futuro muito melhor. Ser o professor sobre rodas torna este cicloativista um nobre cidadão da paz. 

Roberto Furtado

Audax da SAC noticiado no Correio do Povo...


Saiu no Correio do Povo uma pequena matéria sobre o Audax... a entrevista foi Sirlei Ninky, da SAC, clube que organiza as provas que a maioria dos ciclistas participa, e que eu tradicionalmente fotografo. Para quem estiver curioso, segue o endereço da matéria no website do Correio do Povo.
Faltou só uma boa foto da prova... talvez nem tão boa, apenas uma que descrevesse de forma mais fiel o que é um Audax. O importante é que saiu, afinal, a tal bicicleta é o assunto do momento, destemida, valente, insistente... assim como os audaxiosos!

Roberto Furtado

terça-feira, 20 de março de 2012

A luz do loucos - Relato Audax 300 km 17.03.2012

Carlos Polesello e Vitor Matzmbacher
Poderia dizer que este Audax foi o evento da luz. Porque ? Começo dizendo que qualquer um que vai fazer um Audax 300 o primeiro conselho que dou é, muito farol e sinaleira. Afinal são mais de 8 horas no escuro. Ver e ser visto na noite é muito, mas muito importante mesmo. Fora as Bikes e outros equipamentos que estão acompanhando a tecnologia, posso dizer com toda tranqüilidade que os faróis evoluíram no “quesito” mais importante, a luminosidade. Andando num pelotão de 6 ou 7 ciclistas tendo dois ou três com faróis de magneto e ou baterias recarregáveis, os outros sumiram no foco intenso destes. A coisa era tão clara que por diversas vezes na estrada e principalmente na BR 290 os carros, ônibus e caminhões em sentido contrário baixavam o farol achando que vinha outro carro em sentido oposto. Dava até uma “certa tranqüilidade” para pedalar sem ficar muito concentrado tamanha era a confiança. Aliado a isso o bom estado do esfalto podemos dizer que foi uma noite mais que tranqüila. Após rodar a noite toda, ao amanhecer alguns devem se perguntar, - “O que eu estou fazendo aqui ?”, já fiz para mim mesmo esta pergunta várias vezes. Muitos amigos, conhecidos, familiares, que não pedalam nem 1 km, toda vez que saio para pedalar 200, 300 Km cansam de dizer-me, “Tu é louco” . Até hoje não sei quantas vezes ouvi isso. Então este post vai em homenagem a todos estes que deveriam fazer um “loucura” saudável, como é pedalar na estrada, ouvir o som do vento, dos pássaros, fazer um exercício saudável, dar um “del” na sua cabeça, encarar desafios, fazer amizades com pessoas de diversas partes do RS e também de fora do estado. Vai um pouco da musica da Rita Lee para reflexão.

"Dizem que sou louco
 Por pensar assim
 Se sou muito louco
 Por eu ser feliz
 Mas louco é quem me diz!
 E não é feliz !
 Não é feliz...

 Sim ! Sou muito louco
 Não vou me curar
 Já não sou a único
 Que encontrou a paz
 Mas louco é quem me diz!
 E não é feliz !
 Eu sou feliz !... "


Abraço a todos os loucos por Audax. 
Carlos Polesello

No jornal Metro... puxão de orelha nos motoristas!

Jornal Metro Porto Alegre

Saiu no simpático jornal Metro, matéria sobre o não cumprimento da legislação de trânsito sobre motoristas e a distância mínima do ciclista (motorista em relação ao ciclista). Talvez a mídia esteja começando a dar importância a detalhes relevantes. Afinal, tem uma barulhada acontecendo em todo local. Ciclistas já não são invisíveis! Na capa do metro, marquei em vermelho para facilitar a visualização, leia mais no jornal de hoje.

Roberto Furtado

Audax 200 e 300 km da Sociedade Audax de Ciclismo - imagens!

Paulo R. Bagatini
Bom dia pessoal! Quem esteve na prova percebeu que eu estava com o olho direito tapado devido a um acidente doméstico. Nada tão sério como poderia ter sido, mas me obriga a ter alguns cuidados. Ontem já estava sem aquele curativo, e agora estou só no colírio. Agradeço a preocupação dos amigos. Final feliz para o fotógrafo e final feliz para os audaxiosos que realizaram a prova num clima muito agradável. Estava um pouco quente, mas o tempo estava bem razoável para o brevet. Se o calor e o vento atrapalharam um pouquinho, não teve a chuva que alguns temiam.
Com o passar dos anos, vamos enraizando os laços de amizade, novos voluntários e ciclistas aparecem para participar deste grande evento. Uma peça teatral onde palco é a estrada, e na memória ficam os momentos e experiências únicas de um estilo de vida que pode parecer estranho aos que descobrem o audax como novidade, mas que ao compreenderem o sentido acabam percebendo que existem sentimentos muito maiores e com valorização individual. Ser audaxioso é apreciar coisas simples como a natureza, a amizade, e enfrentar os próprios temores. É uma jornada espiritual, e esta acontece em local assistido. 
As imagens estão sendo subidas para o PICASA, aos poucos, para não ficar tempo integral na frente do pc, seguindo recomendação médica. Imagens da prova
Um abraço e roda pra frente...

Roberto Furtado

segunda-feira, 19 de março de 2012

Atropelamento de ciclista gera mais polêmicas...

fotografia: Nicson Olivier / Globo.com
Na lista e no forum que frequento foi lançado mais um assunto sobre a polêmica. Me pergunto mais um vez pq tenho esperança de encontrar a resposta. Quando as coisas serão diferentes? Não se trata mais de acidentes que envolvam ciclistas, tampouco o fato de alguém com poder e dinheiro estar envolvido. Não quero entrar na questão de culpados. Se a culpa foi do motorista Thor Oliveira, ou se foi do ciclista que faleceu. Relevante é o fato da velocidade, pq este seria um importante dado que determina ou divide culpas. Seria mais importante determinar o culpado do que evitar o acidente? O maior culpado ainda é o governo, a corrupção, o incentivo da aquisição do carro mais rápido sem a devida orientação (em todos os casos). Entende-se que perderam a sociedade, os envolvidos e quem esteve no local. Afinal, no trânsito, mesmo que a morte esteja banalizada, presenciar algo assim é sempre destrutivo. Cenas como esta encerram sonhos, destroem histrórias, terminam com a vitalidade e o brilho. Se a culpa é de um ou de outro, no fim, perde sempre a vida. Se há algo para desejar, que seja paz, se há algo para fazer, que seja educar, se há algo para lamentar, que sejam as vidas perdidas.

Roberto Furtado

sexta-feira, 16 de março de 2012

Mapa do Audax 300 km da Sociedade Audax de Ciclismo...

Udo Maps / clique para ampliar

Aproveitando a contagem regressiva para o brevet de 300 km da Sociedade Audax de Ciclismo, faço breve comentário sobre o trajeto. Assim como na prova de 200 km, este tornou-se um clássico. Recomenda-se cuidado para a turma dos 300 km, pois pegarão o trajeto nas proximidades de Charqueadas no breu da noite. Ali, na estrada 401, para os ciclistas de primeira viagem de provas noturnas, recomendo atenção na pista e também a movimentos no acostamento. Pertinho daquela ponte tem o presídio de charqueadas, e se faz sempre necessário o cuidado com estranhos. Não há motivo para pânico, pois a prova é muito bem acompanhada e a Polícia Rodoviária Estadual esta rodando para garantir mais segurança. Aos veteranos, avisar e instruir os novatos sempre é válido. A experiência tem caráter preventivo quando passada aos novos. Pedalar em grupo e em baixa velocidade pode ser uma garantia de brevet bem sucedido. Deixem para dar pau no clarear do dia, onde a temperatura ainda é baixa, e a visibilidade já é boa. Façam uma grande prova, e não esqueçam que o telefone do cartão de rota é para emergências. Este contato esta ali para gerenciar os carros que estiverem mais próximos de vocês. Isto é qualidade de segurança que a SAC tenta aprimorar em cada prova. Cuidem uns dos outros...
Grande abraço

Roberto Furtado

Resultado da enquete...

Frame GT Outpost reconstruída
 O resultado da enquete Qual assunto interessa a você como ciclista? foi confirmador sobre alguns temas... Não houve muitos votos, e desta forma entendo que alguns simplesmente não quiseram participar deste resultado, ou preferem não intervir no mesmo e apenas observar. Entendo também que aqueles que não participaram estão satisfeitos, pq frequentam aqui e não acham que exista necessidade de mudança. A visitação no último mês superou 18.000 acessos, e isto prova que há uma identificação com este espaço, seja qual for o motivo em especial. Já recebi emails dizendo que adoram imagens, textos, ou a própria descontração de assuntos que muitas vezes não tem relação direta com a bicicleta. O foco aqui é a bicicleta, mas escapamos do assunto sempre que há motivo, possibilidade de ampliar. Nem sempre se respira só bicicleta, existem outros assuntos que o ciclista tem interesse com cidadão, humano, ou sonhador. Esperava realmente que a maioria tivesse uma identificação com reconstruções e com imagens, mas outros números me causaram surpresa. Achei que a opção não esta entre as opções! fosse ser muita votada. Agora me surpreendeu muito sobre baboseiras diversas, onde mais de 30% votou nesta opção. Os assuntos de provas, e de protestos, realmente ficaram com baixo índice, sugerindo que são assuntos que devem receber atenção em raros casos. Não será através desta que este blog derrubará algum assunto, mas acrescentar e direcionar sempre é preciso. O assunto da reconstrução é também assunto trabalho, caro, pois dentre estes é dependente do garimpo, de oportunidades. Felizmente, com os novos apoiadores que estão visíveis até a próxima semana, poderemos dar mais atenção a este assunto, bem como para assunto de Testes. Gostaria de verdade que as pessoas que votaram não esta entre as opções enviassem um email com a sugestão do que sentem falta. Para que este seja incluso. No mais, muito obrigado aos que ajudaram. Em tempo, antes que alguém diga que o somatório não fecha, lembro que era possível mais de um voto para cada IP, ou seja, alguns votaram em até 3 assuntos. Abaixo, segue o final da enquete com os percentuais:

Provas
  (15%)
Imagens
  (36%)
Reconstruçao de bicicletas
  (57%)
Curiosidades
  (36%)
Protestos
  (15%)
Baboseiras diversas...
  (31%)
Não esta entre as opções!
  (5%)

quinta-feira, 15 de março de 2012

Última insistida pra você fazer o Audax...


Pessoal, aproveitando a citação no relato do ciclista e amigo Carlos Polesello, segue o video em post temporário. Pra ver se os portadores de dúvidas se animam e decidem em realizar a prova da SAC. Espero de verdade que além dos ciclistas de carteirinha, novos ciclistas apareçam para realizar esta que é uma prova ímpar no Brasil... ímpar? Sim, a uma prova especial, com participantes especiais, voluntários especiais, "fotógrafo" especial!kkkk

Um grande abraço

Roberto Furtado

O primeiro Audax de Bagé... Relato de Carlos Polesello


Fotografia: Gustavo Galvão

Fotografia: Gustavo Galvão
  Revendo o vídeo da Sociedade Audax feito pelo “proprietário” deste blog, “O verdadeiro significado do Audax” me deparei com o depoimento do ciclista de Bento Gonçalves – Rodrigo Cortese que disse com grande sabedoria - “Quem fez a primeira vez não para mais”. Digamos que eu me enquadre bem neste pensamento, pois em 2006 o ciclista então desconhecido, Daniel Serafin chegou em mim numa noite pedalando na Av. Sertório em Porto Alegre e perguntou ? “Você sabe o que é Audax”.  Bom, a partir daí eu não consegui mais parar. Alem dos Audax de Porto Alegre, pedalei 7 em Santa Cruz do Sul, 2 em Caxias do Sul, 1 em Lajeado e neste mês tive o prazer de pedalar em Bagé. Cidade distante 375 Km da capital, torna-se um pouco inviável para ir lá pedalar. Mas minha vontade e curiosidade de conhecer o local, fez com que tive o pensamento fixo em ir. Fui recompensado com um dos melhores dentre os 26 que já tinha feito. Por que melhor ? Bem, o pessoal da organização e da cidade são muito atenciosos e bem organizados. Somando a isso um trajeto bem seletivo mesclando, subidas, decidas, retas, curvas e tudo de bom para um Audax não ser monótono. Com uma temperatura quente e céu super azul, completou o espetáculo. Melhor seria se tivesse mais ciclistas de Porto Alegre, porque foram poucos da capital e região metropolitana. Estávamos em 2 de Porto Alegre e 1 de Canoas. Mais 1 de Vera Cruz e outro de Santa Cruz do Sul, os demais poderíamos dizer que são da região de Bagé.  Mesmo assim o pessoal de lá, ciclistas, organizadores, colaboradores ficaram satisfeitos, o que foi bem comemorado no fim com um belo encontro numa excelente loja de conveniência com um atendimento do proprietário e funcionários muito bem instruídos e prestativos. Até o conhecido e de poucas palavras Udo se surpreendeu e fez este comentário – “Isso é que falta para os outros organizadores, uma confraternização de todos juntos com os familiares e amigos”. Para os amigos de Bagé deixo uma frase plagiada de um já falecido político gaucho que sintetiza o que senti neste Audax – “Foi um privilégio ter estado com vocês.

Carlos Polesello  

Insistência... motivos!

Tenho motivos demais para ser feliz, tenho motivos demais para sorrir...
Penso em motivos para partir, repenso motivos para ficar...
Leio motivos no jornal para detestar, leio histórias para amar...
Creio em motivos para insistir, e ouço de outros para desistir...
Caminho entre motivos para fotografar, e eternizo situações para lembrar...
Pedalo para não esquecer motivos que me fazem sempre cativar...
No ar, na terra, no mar, motivos para protestar, futuro ambiental para perpetuar.
Motivos banais protelam ações importantes, motivos reais não saem da gaveta.
Na estrada, motivos para sempre querer encontrar a linha do horizonte...
Ando e desando em motivos grandes e pequenos, referências para crescer...
Tenho motivos demais para continuar, parar, pausar... tenho motivos!
Sofro motivos em conclusões, distorções de reflexões, tenho tantos...
Vivo na cidade dos motivos para ajudar, retalhar, criar, condenar... penso!
Quero motivos para avantajar ideais, onde pessoas são motivos...
Hipocrisia nas palavras de alguns, sinceridade no silêncio de outros.
Tenho excelente motivo, tenho a vida inteira pela frente...

Roberto Furtado

quarta-feira, 14 de março de 2012

Audax 200 e 300 km na contagem regressiva... vai encarar?

Fotografia: Roberto Furtado/Sociedade Audax de Ciclismo
Neste dia 14 de Março entramos em contagem regressiva para uma das provas mais esperadas do ano. A comunidade audaxiana comemora outra oportunidade de encontro de ciclistas. Aqui nos Pampas acontece uma mágica onde ciclistas de todo Brasil aparecem para poder percorrer os 200 e 300 km nos moldes da ACP. A novidade? Uma prova onde ciclistas dos 200 km passarão pelos ciclistas irmãos que estarão a realizar os 300 km, num momento de trocar idéias, compartilhar emoções de estrada com a visão que somente a bicicleta possibilita. O que esperar? A promessa é de que será uma grande prova, com clima amigável. A previsão esta muito favorável para o final de semana. Depois da chuvarada, promessa de um bom tempo. Talvez a chuva tenha também lavado a pista, e desta forma mais um ponto positivo. Este ano promete ser um excelente ano para a comunidade ciclística, para a SAC, para o Bikes do Andarilho. Isto pode ser reparado na visitação deste espaço, na mídia não especializada, e nas bike shop. Em tempos de bicicleta, mais respeito, mais oportunidades e muitas idéias para plantar em 2012 em diante. Fico pensando em quem esta em dia com o preparo, não há motivos para não participar. Com clima favorável faltava apenas esta oportunidade. 
Eu, Sidnei e outros amigos estaremos lá para testemunhar um grande ideal em comum.
Vai encarar? Mostra para o gigante quem é mais forte! E não esqueça, acredita no tombo do gigante e tudo dará certo!

Roberto Furtado

Forte chuva prejudica a mobilidade de Porto Alegre

Estranho, mas ontem abordei o assunto da mobilidade urbana caótica, e hoje caiu o mundo. Voltava hoje da faculdade, e já havia recebido um "torpedo" sms da esposa. Perguntava se estava tudo bem. Não imaginei que durante a manhã estivesse a cidade sendo tão castigada pela chuva. Perto do aeroporto havia uma tranqueira com muitos motoristas que desviavam pela direita pq temiam que a profundidade fosse grande demais para o veículo. Quando abriram espaço, eu, naquela condição empolgada quase imaginando que estivesse de bicicleta, engatei a primeira e passei com água na porta do carro um trecho com mais de 100 metros de extensão. Imprudência, pq poderia haver um bueiro destampado, aquelas coisas que a gente só pensa depois que acontecem. Felizmente passei por outro alagamento, talvez profundo igual. Na sinaleira fiquei a refletir, e se estivesse de bicicleta? Se estivesse de bicicleta, certamente colocaria a mesma na calçada e passaria por aquele trecho complicado. Bicicleta é também solução em momentos de alagamentos. Não dá "calço" hidráulico na bicicleta, não impede de retornar ou pegar a calçada, tampouco assunta em outros pontos de vista. Bicicleta é solução para mobilidade urbana, inclusive em alagamentos. Bom, vou tomar um café e ir pra aula. Roda pra frente...

Roberto Furtado

terça-feira, 13 de março de 2012

Se o pensamento é pequeno, não há mobilidade urbana!

Fotografia: Roberto Furtado / Revista Bicicleta
O cotidiano de todo cidadão na cidade de concreto é um caos nos horários de pico. Aliás, desconheço o horário que não é de pico. Há tranqueira em todo horário! Para atravessar a cidade não há opção de trajeto que livre algum motorista dos engarrafamentos das sinaleiras, carros estragados, acidentes, saídas de colégio, e outras catástrofes do tráfego urbano. Morando em Porto Alegre, precisamente na zona sul, e estudando em Canoas (outra cidade de trânsito doentio), acabo sempre conhecendo os problemas da diversidade do deslocamento. Cada dia é uma pérola diferente. É uma Belina que ferve o motor na pista da esquerda, uma Kombi que perde a roda, um ônibus que empaca, um alguém atropelado, e lá vai o bom fluxo de trânsito. Tranqueiras quilométricas, horizonte de carros atrás de carros que somem nas curvas das ruas. E a esperança de não chegar atrasado na aula ou num trabalho termina ali mesmo com mais uma ligada da ventoinha do motor do meu "uneira". Queria tanto ir de bicicleta! No trânsito com a bike faria da zona sul ao centro em 30 minutos. Chegaria na estação do Tremsurb e a bordo do trem levaria até a estação de destino em 25 minutos, talvez menos. Lá, mais uma pedalada de 5 minutos e já estaria na universidade. Isto tudo poderia ser realidade, mas a administração do trem estabeleceu que munido de bicicleta, o passageiro pode ingressar somente após as 9 horas da manhã, e até  o limite das 16 horas. Ou seja, nem preciso mais ir! Para mobilidade urbana, a ligação entre o trem e ciclistas, passa a ser outra frustrada iniciativa sem sentido. Jamais haverá alguém com real necessidade estudar em meios períodos em universidades privadas. Sem sentido, deixei justamente de estudar na universidade federal pq ela não cobre períodos letivos cheios, "esfarelava" meu tempo entre dias da semana que não rendiam. Na federal, você pode esquecer ser autônomo, ou melhor, pode esquecer de ter um trabalho! Não sei onde as administrações querem chegar com pensamentos tão nanicos... se me perdoa o leitor, mas o desabafo sobre mobilidade urbana se trata de inteligência. Onde arrumaremos uma alternativa com sugestões tão tolas sobre mobilidade. Parece que a intenção é justamente dificultar. Não há opções, e por enquanto vamos bem. Quero ver em dois ou três anos, com outras centenas de milhares de carros e motos, aumento da frota de ônibus, também a história da tal copa. E aproveitando a história da copa, que bela bobajada preocupa a maioria. Copa não vai melhorar os problemas diários de mobilidade urbana, mas a velha bicicleta e suas facilidades junto a transportes coerentes com transporte metroviário e hidroviário, esta sim poderia nos salvar de tantos problemas que estão chegando. Principalmente em dias de Copa. Coisas de um administração mal pensada... e agora? Vamos juntar problemas para ir a cata de soluções? Sem mais o que pensar, posso apenas sonhar com ruas vazias. Roda pra frente...

Roberto Furtado

domingo, 11 de março de 2012

Four Cross de Nova Hartz foi um espetáculo!





Eu não conhecia este tipo de prova! Difícil de dizer com o que se parecia, alguma semelhança com um downhill leve, talvez um all mountain. O tal four cross é ímpar, muito técnico! Divertido, entusiasta da velocidade e das perícia no guidão. Pó que levantava da pista, e no cenário montes verdes, montanhas que cercavam a Chácara dos Kautzmann, pássaros como os pica-paus que vi em uma árvores seca. Legal mesmo... na volta, como o movimento da estrada deu pra fazer um contraste da atualidade. A vida urbana esta terrível! Quando vejo alguém desejando progresso a uma cidade pacata como Nova Hartz, me preocupo. Seria a idéia de alguém transformar uma cidadezinha acolhedora, no melhor sentido que há, em uma cidade moderna, cheia de problemas de uma grnade cidade? Espero que não, e com isto, talvez, que se faça uma reflexão. Nova Hartz, Canela, Arroio do Meio, Rolante, etc... deveriam todas ficar como são, evitando parecer com Canoas, Porto Alegre, Cachoeirinha, cidades que estão acabadas de tantos problemas. O prêmio fica com Porto Alegre, obviamente, talvez bem seguida de Cachoeirinha e Viamão. Horrível! A mobilidade urbana nestas cidades do interior é um sonho, coisa que inexiste na região metropolitana.
Volto ao assunto do Four Cross... a prova teve forte presença da turma do Downhill, e por isto as sensações são tão parecidas. Clima amigável de sempre! Faltaram muitas pessoas para ficar melhor, como a turma do DH aqui de POA, mas faz parte. Vejo todos em todos em Pinto Bandeira, dia 25 de Março!
Roda pra frente...

Imagens da Prova = 315 fotos

Roberto Furtado

sábado, 10 de março de 2012

Tava eu e o amigo Homem Aranha tratando fotos...


Sábado a noite... e eu aqui tratando fotos. Quem pensa que ser fotógrafo é barbada, segue o recado... Fotógrafo não tem muito tempo para quase nada. Só pra ficar suspirando a falta de tempo! Entre hoje e amanhã, me separa uma noite de sono... amanhã ainda vai estar escuro, e vou levantar. Vou pegar o carro, e sair conduzindo o carro para Nova Hartz, para o Four Cross da FGC. E agora deveria estar dormindo para acordar descansado, mas estou aqui tratando fotos para entregar segunda-feira a tarde. Segunda-feira a tarde já estarei tratando as fotos do fourcross. Segunda de manhã? Segunda pela manhã tenho aula!
Podia ser sempre muito mais fácil, mas se fosse tão barbadinha não teria graça alguma! Talvez...
Enquanto estou numa paradinha do trabalho, aproveitei para mostrar um pedacinho da visão que tenho agora, onde estou acompanhado do amigo Homem Aranha. Qual a relação? Bem na área de trabalho está eternizado um super herói, então pode ser que eu realmente goste de heróis. Quem não os admira?
Dá série, baboseiras diversas... e agora volto pro trabalho, pq amanhã é outro dia!
Grande abraço pra vocês e bom Domingo!

Roberto Furtado

Frame Trek 930... reconstrução de old school - 2ª Parte!






Na continuidade de um projeto interessante, segue a série de fotos depois da pintura. A cor escolhida foi bem diferente da original. Pensei em sair do original e ensaiar novas opções em reconstrução. Fazer fiel nem sempre é possível, pois o limite esta muitas vezes no custo, nos prestadores de serviços, e na confiabilidade. As imagens não representam muito bem a cor real, pois a interferência da luz ambiente sempre acaba por trazer alterações que precisam ser pelo menos comentadas. É possível ver que na única foto tirada com ambiente de rua, já aparece uma variação de tonalidade. Penso que no horário certo, depois de montada e com técnica fotográfica perfeita, acabarei chegando na cor real para publicar na internet. E neste caso o limite será da configuração do monitor de cada leitor. Já que raras pessoas tem aferição dos mesmos. 
Gostaria de salientar que a qualidade do frame é impressionante, cordão de solda fininho e parelho, gancheiras bem desenhadas e com excelente marcação, e são presentes outros detalhes, como a furação que aparece atrás da caixa de movimento central e que tem a finalidade de não permitir que a corrente suba entre as coroas e o quadro. Pequenos detalhes que fazem a diferença entre um frame de largada e um grande frame. Tal como o fato do quadro ser um dos poucos "frames" construído com Cr-Mo Triple Butted. Normalmente os quadros são fabricados com tubos de Cr-Mo normal ou double Butted. Significando que o quadro recebeu atenção para ter menos peso, já que os tubos chegam a possuir 3 espessuras diferentes entre paredes. Não tomei outras decisões sobre este projeto... contudo, como pode ser visto nas imagens, inclui um garfo de alta qualidade no projeto. O garfo veio de uma TREK 7000, se não me engano. Um frame que acabou sendo descartado por apresentar impossibilidade de remontagem. Segurança, aqui é preferencial! 
Não decidi nada ainda sobre montagem, componentes, estilo... as dúvidas sempre são tantas, assim como as vontades em fazer projetos como este. Tem muita coisa pra experimentar em combinação, tendências, e estilos de uso. Talvez suspensão e pneus largos, possivelmente componentes da década de 2000, já que pretendo colocar no uso para ver o desempenho no chão batido. Nada decidido, mas roda pra frente...

Roberto Furtado

A força da palavra e da imagem...


As vezes me pego em reflexões e devaneios... a gente "sai da casinha", refletindo coisas sobre o cotidiano, desejos de trabalho, lazer, dentre outras questões em que nos deparamos. Os dias do homem são feitos de altos e baixos, e a grande dúvida que sempre paira é se estamos certos. E acho que até o fim dos dias viveremos com estes ciclos de perguntas e respostas... e talvez, como diz o amigo Sidnei, é muito mais importante a pergunta do que a resposta. Talvez seja mesmo... 
Toda vez em que observo os protestos relacionados a bicicleta, penso que é mais uma semente plantada para uma possibilidade no futuro. Viver com a opção da bicicleta, seja para fim de semana, mobilidade urbana, e qualquer outra que um ciclista possa se encaixar, traz conclusões sobre a vida levada. Algumas pessoas são egoistas, outras não... vejo ciclistas menos egoístas que pessoas que não tem qualquer relação com a bicicleta. Acho que todo mundo pode fazer um pouquinho... realmente a bicicleta não é tão frequente no meu cotidiano prático, mas devido a falta de tempo. Cada dia tenho menos... agora entre uma lida e outra de trabalho, faculdade, coisas relacionadas a casa, trabalhos paralelos (como poderia chamar o bloguito), escorre os minutos entres os dedos. Se ando menos de bicicleta, contribuo com este blog. Tenho certeza que desta forma gero motivação em muitas pessoas. Assim não deixo a bike longe da minha vida "no todo dia", pois falo diariamente nela. E sempre que posso pego a bike me vou... Queria sim muito mais andar de bicicleta.  E vi minha única opção da bike ser cortada por "regras" do Trensurb. Aliás, estou escrevendo a respeito, tanto para o blog como para administração do transporte em questão. Lamentável... um país do porte do Brasil, pobre em iniciativas, pobre em tantos aspectos... inclusive de espírito. Contudo, não nos abalemos, temos o poder da imagem e o poder da palavra. Se não formos atendidos hoje, reclamamos, tornamos pública nossa insatisfação... insatisfação pública funciona como publicidade ao contrário. Não é mesmo? E o que incomoda é pagar tanto imposto, em tudo... até mesmo num quilo de arroz, e depois, receber tão pouquinho! Pra não dizer nada! Enfim, roda pra frente... 

Roberto Furtado

sexta-feira, 9 de março de 2012

Oficina de mecânica para ciclistas de estrada... Sociedade Audax de Ciclismo


Dia 17 de Março ás 15 horas acontecerá no auditório do IPA, a oficina de mecânica para ciclistas de estrada. O autor será Helton Moraes, ciclista experiente das estradas, de brevets e viagens. O objetivo é sanar as dúvidas mais comuns, mostrar alternativas práticas para enfrentar problemas durante um brevet e conseguir concluir a prova. Não é necessária a inscrição antecipada, não é necessário estar inscrito no brevet. Toda comunidade ciclística esta convidada. Mais informações em Oficina de Mecânica Básica.

Roberto Furtado

quinta-feira, 8 de março de 2012

Bicicletada Nacional Juliana Dias - Porto Alegre 06.03.2012


Estava devendo algumas imagens da bicicletada nacional... este evento foi um protesto e uma homenagem a Juliana Dias. Espero que o lamentável e trágico ocorrido minimize os problemas do futuro por abrir os olhos das pessoas. Sou descrente que pessoas mudam drasticamente em pouco tempo, mas a pregação de um ideal nobre como a bicicleta ganha força dia a dia, evidenciado por infelizes acidentes. Se uma baixa de guerra é preciso ocorrer para que as pessoas entendam, então claramente vivemos em uma sociedade doentia. Será possível que a pressa de alguns seja mais importante que a vida alheia?

Imagens da bicicletada

Roberto Furtado

Enquete... só pra tentar melhorar!



Escutando sugestões de amigos, e sempre preocupado com os ideais em favor da bicicleta (através do blog), resolvi colocar em prática a opção de interagir de forma rápida com os amigos, ciclistas e leitores. Ao lado direito deste blog esta a enquete que de largada é sobre os assuntos que você prefere, título: 

Qual assunto interessa a você como ciclista?

Não deixo você esquecer que o email esta a disposição para dúvidas ou sugestões. As vezes deixo de responder mensagens que não são relacionadas a bicicleta, de pessoas que nunca devem ter lido o blog, ou de pessoas oferecendo propostas esquisitas de anúncio. Posso até demorar um pouco, mas sendo uma mensagem com "pé e cabeça", retorno. Também tem o telefone em contato, podes ligar!
Fico sempre muito feliz em saber algo interessante sobre bicicleta, e não esqueçam que interessante é relativo... pode não fazer muito sentido aos formais, tradicionais, mas o bloguito tem um aspecto mais descontraído. Se a enquete não for utilizada, entenderei que não faz sentido, e que talvez ninguém queira mudança alguma. Aliás, eu acho este lance de enquete um tanto quanto... chato! Roda pra frente...

Roberto Furtado

Dia da mulher ciclista... 08 de Março


Arquiteta Lacerda, cycle chic
 Teve um tempo que eu pensava sobre homens e mulheres com atribuições específicas... funções de cada um dentro de uma sociedade. Quando criança, homens eram pais de família, e mulheres professoras, algo neste sentido. Quando eu era criança, realmente tinha um pensamento machista... não era intencional, mas eu via as coisas desta maneira. A sociedade nos leva a conclusões não verdadeiras. Acredito que o trânsito nos olhos e nos comportamentos das mulheres seja muito mais seguro. E sei que muitos dirão ao contrário, mas raramente vemos uma mulher em alta velocidade, também é mais raro de ver as mesmas bêbadas ao volante. Os acidentes com bebuns, em sua maioria são de homens. A alta velocidade que geralmente é fatal, também é muito mais praticada pelos homens. Hoje as coisas mudaram... mulheres sairam de casa, algumas vezes deixaram maridos em casa! Sai a mulher para trabalhar, e fica o marido cuidando do filhote. As vezes é apenas revezamento, outras uma realidade. Queria acreditar que isto é sempre uma realidade justa, e pensar que todas as pessoas são capazes, melhores e valorizadas pelo individuo que são. Meninas pedalam forte hoje em dia... meninas ocupam cargos importantes na política, na produção de uma empresa, na decisão do futuro de outras pessoas. Meninas encantam meninos, meninas surpreendem a homens de todas as idades com respostas maduras. Meninas são mais maduras que meninos de mesma idade. Meninas, muitas vezes são mais coerentes sobre futebol, crianças, sociedade e bicicletas. Meninas são uma ótima referência sobre relações humanas bem sucedidas... talvez nem sempre! O homem que tem em casa, uma mãe, irmã, ou esposa, acaba compreendendo que a vida se torna espiritualmente impossível sem uma mulher. Cuidar das mulheres de nossas vidas é prioridade, para que desta forma elas sejam sempre meninas. Escrevo este as mulheres que cercam minha vida, em especial a família e amigas, pq sem elas, nada teria tanta graça! Um grande beijo para as mulheres que fazem o mundo muito melhor para um alguém! Roda pra frente...

Roberto Furtado

quarta-feira, 7 de março de 2012

Notícias Audax de Bagé...

Pezão no Audax 200 km SAC 20.11.2011
A curiosidade que chega é: Como foi o Audax de bagé? Uma primeira prova oficial, e lá estavam 60 ciclistas, conforme o site do Clube Audax de Bagé. No site está um relato de prova, onde os assuntos mais relevantes foram citados. Embora tenha sido convidado, muitas vezes fico devendo a participação por ter outros compromissos. O cenário com certeza é único, a região sul do Estado é um palco importante no calendário Audax do Brasil. Poucos lugares possuem uma caracteristíca como a que apresentou o roteiro da prova de Bagé. E se 60 ciclistas participaram, e se temos um Audax praticamente no fim do Brasil, entendo que existe algo muito bom e contagiante na bicicleta. Que venham outros momentos como este... Parabéns aos rapazes por esta iniciativa, e roda pra frente!

Roberto Furtado

terça-feira, 6 de março de 2012

Fourcross em Nova Hartz no próximo Domingão


Acontece no dia 11.03.2012, próximo Domingo, na Chacará dos Kautzmann, a primeira etapa do Campeonato Gaúcho de Fourcross. Este ano será feito um esforço da FGC e dos atletas para que o FourCross possa ser uma modalidade independente como DH, XC, Maraton, etc 
O evento prestigia a cidade de Nova Hartz, cerca de 65 km de Porto Alegre. Pertinho... oportunidade para quem quiser assistir eventos ciclísticos de fortes emoções.mais informações no novo site da FGC.
Acima esta o video amador feito no local, demonstrativo da pista.

Roberto Furtado

segunda-feira, 5 de março de 2012

Bicicletada Nacional - 6 de Março de 2012


Nesta Terça-Feira, em protesto pelo atropelamento de Juliana Dias, será realizada uma Bicicleta Nacional. É importante que a comunidade ciclística, munida de "ordem" e bicicleta esteja organizada em todo Brasil para um momento de luto e de esperança em favor da paz no trânsito. Todos que acreditam na bicicleta e que possam acrescentar adjetivos aos grupos ciclísticos, devem se juntar no local de sua cidade, estabelecido para protesto. No flyer aparecem algumas cidades. 
Já que não é possível trazer Juliana de volta, então que a baixa da ciclista seja um ícone importante na história da bicicleta. Estarei junto com os ciclistas no EPATUR para registrar. 

Roberto Furtado

sábado, 3 de março de 2012

Baixa de guerra no mundo da bicicleta... Juliana Dias!

Fotografia Band: Diogo Moreira / Futura Press
Não há tempo... não há como voltar atrás nem mesmo por um segundo. Evitar o ocorrido é agora um desejo do presente, mas torna-se um desejo inconcebível. O homem perdeu o foco nas prioridades da vida. O tempo é mais importante do que a vida! Não há tempo nem para o presente, o que dirá para o passado. Remediar é impossível. As ruas do Brasil e do Mundo viram palco de guerra, no lugar de tiros, freiadas bruscas que não evitam o resultado trágico. Buzinaços para ganhar a razão, quando deveriam ser realizados para evitar catástrofes. Juliana Dias é mais um vítima do "acaso" onde todos gostariam de mudar o espaço temporal, mas todos os dias acordam sem colocar em prática uma fração das palvras ditas quando estão sensibilizadas com o "inevitável"! Juliana dias era ativista do meio ambiente, entre seu arsenal estavam atos de plantio de cerejeiras, uma bicicleta para ideais de mobilidade urbana, sua nobre formação de biologia e sabe lá quais armas esta menina possuiria. Menina muito amada, notável através de blogs, redes sociais, amigos a amavam. Há revolta, haverá saudade, não haverá solução... Na guerra em favor da paz, ciclistas em baixa de guerra são migalhas que causam um impacto momentâneo, depois são esquecidos, depois novamente lembrados em semelhante baixa de guerra. Para que a mídia não específica explora as pessoas, ou a tragédia, se não consegue mudar nem sequer uma fração dos comportamentos? A mídia e oportunistas aparecerão! Continuará sendo a tal direção defensiva uma teoria que jamais será provada em prática. Motoristas são flagrados tão distraídos, irritados, violentos que é possível que nem estejam mais pensando em seus atos. O vazio que deixa uma ciclista que plantava árvores é o silêncio que deveria permanecer para sempre nas vidas daqueles que jamais pensam em mudar e causaram tragédias em vidas alheias. No asfalto da Avª Paulista, no dia 02 de Março, ficou Juliana Dias eternizada pelas fotos de centenas, talvez milhares de brasileiros, num horror para a família e amigos. Possivelmente fosse irmã de alguém, talvez esposa ou namorada, com centeza amiga e filha. Perda irreparável para pessoas do convívio, para o ativismo da paz. Uma bandeira preta não resolve, não ameniza, não evitará novas histórias... mas causará impacto nas vidas daqueles capazes de refletir. Lamentavelmente, como na guerra de tiros e bombas, morrem sempre aqueles que se encontram no campo aberto. Soldados são atingidos no campo aberto, heróis sem medalha, história nas lembranças dos colegas e amigos. Antes que alguem conclua que a bicicleta fez isto por Juliana, pense que os comodistas são aqueles que jamais subirão em uma bicicleta... e que acreditar na bicicleta como opção de mobilidade urbana é uma questão de consideração com a sociedade e com o meio ambiente. O comodismo é sempre um adjetivo egoísta! Lamento não ter conhecido Juliana, guerreira da paz!

Roberto Furtado