quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Pneu reserva... pra não ficar na mão!



Tempos atrás conversava com o amigo Raul sobre acidentes de percurso onde o pneu poderia ser determinante no fim do passeio. Logicamente para passeios longe de casa, como ir a Itapuã (50 e poucos km de casa) ou até a praia (110 km até Bal. Pinhal), ou ainda em projetos bem mais esporádicos. Tenho planos futuros de fazer uma viagem de média distância (uns 700 km), e o amadurecimento das questões que envolvem a autonomia do ciclista é um processo que lhe garante o sucesso ou fracasso. Semanas atrás, um amigo lojista recomendou um pneu sem arame que fiquei entusiasmado para testar. Ele seria um estepe, pensando no caso como daquele dia em que passei sobre um caco de vidro que expôs a câmara para fora (aqui). Naquele momento, devido a baixa pressão no pneu traseiro, foi permitido que eu chegasse em casa sem maiores problemas. Estando longe de casa, isto seria muito arriscado. Creio que o mr.Tuffy instalado tenha melhorado muito este problema, mas lembro que existem outros problemas com pneus, tais como rasgos na lateral do pneu, que podem simplesmente encerrar uma jornada. Raul e eu concordamos com colegas experientes, a opção de pneu sem arame passa ser a melhor forma de estepe, solução definitiva a um problema de tal magnitude. Minimizar os problemas é preciso, e aí esta a diferença entre um cicloturista imprudente e um cicloturista que deixa de ser bem sucedido em sua jornada. O tamanho de um pneu sem arame, dobrado, de medida 26 x 1.95, supera a dimensão de uma garrafinha de hidratação de 700 ml. É importante estar preparado, sobretudo em casos onde o problema esta a centenas ou milhares de km de casa ou de algum lugar que disponha de uma solução reparadora. Roda pra frente...

Roberto Furtado