quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Sonho de pedalar... E.T. mostrou isto para a minha geração!


Me lembro bem ainda... era bem criança quando fui ver o filme do E.T. que encantou crianças, e também adultos. Me lembro do filme, e daquela gurizada nas "CROSSzinha", e lá iam fugindo daqueles homens, policiais e sei lá mais o que, que tinham por objetivo capturar o Extra Terrestre. Bons tempos eram aqueles onde a gente andava de "bici" pelas calçadas. Não tinha este negócio de carro subindo na calçada atropelando pedestres. Minha mãe dava uma chave, meu irmão e eu, descíamos o prédio para brincar do lado de fora. Dali, ou ficávamos na volta, ou na quadra, quando muito numa pracinha perto. Os filmes, naquele tempo me tiravam da realidade... tento ainda fazer isto. De vez em quando consigo, mas alguém sempre me puxa pelo pé, de volta a cidade de concreto. Se por um lado tive uma desilusão do que vivi quando criança em relação a atualidade impactante, penso que fui um sortudo. Na "bici", no skate feito de carrinho de lomba, carinho de latinha de nescau, video-game de pauzinho (aquele que a gente jurava ser um bonequinho), falcon, entre outras coisas que brinquei quando criança. Outro dia falava com minha mãe a respeito... ninguém, nunca, vai conseguir me fazer trabalhar de terno! Nasci e cresci com o pé na areia, a beira da praia, pescando papa-terras de arremesso. Isto jamais sairá de mim e de outros que viveram aqueles tempos. Hoje entendo a diferença de hoje e de ontem, entre meninos de apartamento... E uma coisa é certa, o sentimento daqueles meninos da década de 80 ao verem E.T e seu amiguinho voando na bici, isto jamais voltará a ser visto de novo. É a diversão da inocência legítima...
A minha geração entende isto, as gerações mais antigas também. E as novas gerações? A resposta pode ser tentar resgatar os sentimentos de tempos que não voltam mais. Talvez no tempo em que motocas elétricas são tão populares, devem ser incentivados brinquedos como a velha bicicleta.

Roberto Furtado