quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Acampado no paraíso que esta morrendo!

Pássaros sobre o Parque Nacional da Lagoa do Peixe

Ave do litoral (qual?)

Natureza artesã

Caixinha que alguém não quis mais... a natureza tenta dar jeito!

Farol do Bujuru

Embalagem na praia (acho amaciante "javanês)

Cenário lindo... pra perder?
Um feriado bem ao estilo que adoro... Fui para imediações de Tavares, próximo ao Parque Nacional da Lagoa do Peixe. Pescar e acampar não é permitido no Parque, por isto fiquei 20 km ao sul da reserva. Antes de tudo, que fique claro!
Teoricamente o parque é uma terra protegida, mas que é também esquecida! Algumas vezes pesco por ali. Considero a pesca uma das últimas atividades saudáveis, pensando que é a atividade mais antiga exercida pelo homem. Pescar o próprio peixe significa muitas coisas... primeiramente significa protestar contra o comércio de peixes de extrativismo da forma que é realizada no Brasil. A pesca industrial é destrutiva, e ela é alimentada por todos nós, consumidores de peixes. A mortandade de mámiferos cetáceos (baleias, botos, toninhas, etc), tartarugas, peixes, leões marinhos, aves e outros animais é notável por estes modos agressivos onde a técnica utiliza redes. O arrasto é um crime regulamentado que não é aplica na prática nada nem parecido com o que deveria. Segundo a própria legislação e os cadáveres de animais que se amontam na beira de praia de Torres ao Chuí (o resto do País não tenho conhecimento), algo deve estar errado! As corvinas mortas são vistas a cada 200 metros na praia. Imagine quantas corvinas mortas temos ao longo dos 620 km de litoral! Estou falando de peixes grande, com 3 ou 5 kg, que deixam de reproduzir, deixam de alimentar crianças num país que a mesa não é farta para todos!
Ao longo da beira da praia é notável a quantidade de embalagens plásticas com rótulos de idiomas que nem sei de onde são! Os navios jogam seus lixos no mar, as barras jogam lixo das grandes cidades no mar. Aquela sacolinha plástica dos supermercados... aquela que pegou um pé de vento, ou que você jogou na rua, acaba num bueiro, depois no Guaiba, depois na Lagoa dos Patos (uma das maiores lagoas do mundo), depois vai parar na beira da praia, as vezes no estomago de um peixe que achou apetitoso comer mexilhões e cracas que se firmavam nela. Claro que o peixe, morreu!
Viajar para locais assim, paraísos sem infraestrutura urbana acaba tendo dois lados. O primeiro onde você pode montar uma barraca e encontrar a tal paz de Deus, da natureza, dos entendimentos da vida simples. Na outra face fica o terror de estar perdendo algo tão belo para o relaxamento humano. Como vai ser daqui pra frente, já encontrei minha resposta. Ou mudamos, ou morreremos! Se o mar morrer, morreremos em questão de tempo. Este post é 100% protesto! Protesto contra o lixo nos rios, protesto contra a industria pesqueia que mata animais aos milhares, intencionalmente, buscando lucros. Recomendo que as pessoas tirem suas próprias conclusões. Enquanto o IBAMA brinca de policiar pescadores amadores, cobrando licensa de pesca na beira de praia, mostra servicinho, os grandes cardumes estão sendo aniquilados. Segundo dados estatisticos, o pescado atual é de  aproximadamente 5% em relação a decada de 70. O que achas?
Se este post tem ou não relação com bicicleta, e isto desagrada a alguns, penso que não fazer o mesmo seria omitir algo que constatei com os próprios olhos. Interessante de tudo é que nunca vi um ciclista jogando lixo no chão, mas muitas vezes vi motoristas jogando lixo pela janela do carro. Isto é preguicinha ou falta de educação? Escolher é preciso... quem faz isto, só tem duas opções para se encaixar. Fazer um pouquinho pelo nosso planeta começa em pequenas atitudes, ser hipócrita é omitir problemas, e evitar atritos para um benefício próprio chamado de conforto! Se dentro do teu carro esta limpinho, talvez seja pq você jogou papel pela janela, afinal, volta e meia, todo mundo leva alguma coisa de comer pra dentro do carro. Não custa nada chegar em casa e colocar no lixo, guarda no portaluvas, num saquinho, onde quiser, mas não jogue qualquer coisa pela janela do carro.
A bicicleta continua sendo o principal foco deste espaço, mas um puxão de orelha vai bem... mil desculpas se me desgarrei um pouco, mas responsabilidade é também cobrar importantes atitudes. Respeitemos o pouco que temos...
Roda pra frente, pq final de semana tem Meio fundo de Vacaria, também Audax 200 km da SAC e muito mais para a gente celebrar a bicicleta.

Roberto Furtado