quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Bike Expo Brasil 2011 - Post 2





A grande vantagem de uma grande feira especializada no segmento ciclístico é justamente a oportunidade de conhecer, descobrir, comparar produtos e entender o que tem qualidade... seja em proposta ou diferencial. Existem produtos que são realmente inovadores, interessantes, outros, parecem previsíveis. Um excelente destaque para inovação em mobilidade urbana, sem dúvidas é este modelo da Orbita. Ela possui um "pivô" no lado esquerdo do frame, onde é possível encaixar em uma estrutura e travar a bicicleta. A idéia é permitir o deslocamento nos grandes centros, locais onde seriam distribuídas as estruturas fixadoras das bicicletas (um bicicletário moderno), e desta forma o usuário da bicicleta pode literalmente abandorar o veículo no bicicletário, realizar suas funções... pegar um taxi se quiser, e encontrar outra bicicleta em outro local. A bicicleta é um veículo de locação nesta proposta. O cartão que aparece em uma das imagens é como um "cartão de crédito" para uso de bicicleta. Em qualquer lugar que o ciclista vá, encontrará uma bike e sairá pedalando. Uma grande proposta, porém muito distante da realidade brasileira. Seria excelente para uma copa do mundo ou para as grandes cidades. Uma pena que isto seja um sonho para uma iniciativa em locais públicos, talvez em locais muito específicos, como grandes universidades, fábricas, cidades onde a cultura permita esta operação com respeito e preservação. Aqui no Brasil nem mesmo os telefones públicos são respeitados, então o que seria de uma bicicleta que o usuário inevitavelmente abandonaria na próxima esquina?
Neste caso, a Orbita possui um sistema de rastreamento... sabe-se o trajeto, e a localização da bicicleta.
Será que funcionaria tal sistema no Brasil? Em caso positivo, uma esperança...

Roberto Furtado