quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Mercado automobilistico de olho em bicicletas... e "médias" e mídia!

http://inhabitat.com
Com os olhos sempre focados no interesse do consumidor, as grandes empresas buscam atingir a todos os mercados. Felizmente, muitas pessoas inteligentes começam a perceber que o carro não é a melhor opção como meio de transporte urbano, motivadas pelo caos de trânsito e pela violência que é dirigida as tradicionais formas de transporte urbano. A qualquer momento é possível perceber isto nos grandes centros. Existe um lado bem interessante no caos, que é justamente fazer com que as pessoas possam prestar a atenção necessária nos assuntos que são importantes. E com todo tipo de problema que o uso do carro vem acarretando, agora se percebe a valorização da bicicleta. Mesmo que esta seja destinada a terceiros. Ou seja, do ponto de vista do egoísta preguiçoso, prefere ele me ver a andar de bicicleta do que de carro... e isto me parece conveniente, pq talvez ele passe a me respeitar. Pensa ele que é muito esperto, e na verdade, é... pq sabe que serei um carro a menos na rua. Por vezes acompanho as novidades do mundo automotivo. Percebi que nas últimas matérias, sempre ocorre uma que gira em torno da bicicleta. O que poderia representar isto? Parece muito claro que as empresas tentam se ajustar as pequenas tendências ocorridas. A crise econômica mundial, questões ambientais, e relacionadas ao bem estar do homem, acabam sendo sempre ícones presentes em todo tipo de jornal, periódicos, revistas eletrônicas, etc. O mundo automotivo, agora pede atenção de ciclistas... ou de motoristas que repensam seu cotidiano. É difícil entender, exceto nos dias chuvosos, pq alguem trocaria um veículo que traz apenas alegrias ao uso diário. Se fosse por preguiça, ressalta-se a questão de que bicicletas munidas de motores elétricos possuem autonomia de 30-40 km. Tal distância é mais do que suficiente para aqueles que residem e trabalham na mesma cidade. E quanto a segurança, vale destacar que se tivermos 3000 novos ciclistas, teremos então 3000 carros a menos,  e menores probabilidades de acidentes envolvendo ciclistas. Um sistema "ciclo suficiente" que se estimula. Talvez alguns digam que o tempo disponível é um problema para uma bicicleta que é conduzida a 30 km/h, mas acredito que em questões de reestruturação, e disciplina, possamos ter grandes melhorias. Talvez ficar preso em 3 ou 4 fechamentos de sinal de um cruzamento convença a estas pessoas que tal opção acaba sendo até mais rápida.
Sim, a mídia e as grandes empresas estão fazendo média com a bicicleta, mas isto não é bom? Em favor da bicicleta, tudo que vier... vem muito bem!
Esta reflexão, se deu por iniciativa deste blog... e foi motivada por uma leitura em Carros e Motos, do Correio do Povo.

Roberto Furtado