quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Interbike na busca por tendências


Tendências... uma avalanche delas! Esta foi a sensação vivida por aqueles que respiram bicicleta  e foram surpreendidos com  expositores do mundo todo, concentrados na interbike 2011. A interbike é sem dúvidas a grande festa tecnológica do planeta bicicleta. Com a grande gama de opções em bicicleta, surgem alternativas para um mundo mais respirável, mais sustentável, mais divertido! A produção em massa se depara com dois materiais, sendo estes o alumínio, empregado fortemente, e o plástico através dos processos da injeção, ainda em tentativas frustradas de concorrer com o alumínio. O alumínio vence ainda, como antes acontecia com o aço e ligas no passado. Os processos de injeção do plástico passam a oferecer preços altos na fabricação de bicicletas, pois  não podemos esquecer que seriam necessários moldes para cada tamanho e modelo de bicicleta. Em alumínio, é possível fazer alterações com grande facilidade, já que a tecnologia empregada é muito simples. Os caprichos para BMX, CX, Citytour, Touring dentre outras opções, inclusive as bem direcionadas aos ciclistas urbanos que prezam por uma qualidade "handmade", ficaram para as ligas do fino aço... Cromoly, de marcas como Columbus, True temper, Tange, entre outras menos conhecidas por aqui, mas não menos merecedoras de respeito. Lojista, prepara-te para uma nova fase! Estamos em uma era dos customizados, e estes são fortemente representados por Cr-Mo, e materiais que lembram muito a anos 70, 80 e 90. Também por materiais feitos através de CNC, acabamento anodizado, polido, fino capricho. Peças que surpreendem e se vendem apenas por ser avaliadas pelo consumidor. Pensemos que o consumidor, agora quer algo realmente bom... pq ele já não é mais um consumidor comum. Ele agora procura, estuda, questiona! Neste ponto, são divididos dois grupos de ciclistas. Um que diz tanto faz, e compra bikes simples, e talvez não esteja pronto, e outro que prioriza algo mais. O ciclista esta ficando exigente, em percentuais substanciosos em relação a totalidade do mercado. Se dizes 5% de 100, temos 5 ciclistas... mas se falarmos de centenas de milhares, agora estamos frente a 5000, 20000, 40000 ciclistas eletizados, consumidores de um produto diferenciado. Ele olha para outra bike, e não quer mais aquela bike de alumínio fabricada em linha... ele quer algo mais. Algo que lhe dê conforto, agilidade, saúde, e que tenha um capricho. Algo que dê orgulho de ser proprietário... que diga por si, que seu dono é muito seletivo. O preço da produção em linha, pode ser o ônus de não possuir nada diferente. Sejamos francos, todo mundo quer algo mais bonito, de qualidade, bem acabado, mas você esta disposto a gastar mais em tempos difíceis? Talvez... ainda mais se souberes que tua bike possui atributos de durabilidade, bem acima da média produzida em série. Será mesmo que mundo esta em crise, ou apenas farto de consumir coisas banais, que não trazem o menor merecimento, que se depreciam com a virada do ano, como os veículos automotores. Customizar, reciclar, reviver algo é moda! Neste processo se encaixa a bicicleta que jamais fica velha... o que chamam de Vintage, que sempre esta no desejo do consumidor que sabe valorizar o bom e o belo. Nestas tendências seguem os fabricantes, elaborando modelos para fins urbanos, provas, especialidades voltadas ao entretenimento, opções de todo tipo para todo tipo de ciclista. Acessórios nem é preciso comentar... ao exemplo para carros, para ciclistas e corredores, vários tipos de monitores cardíacos, GPS, contadores de calorias, cadência, etc. O futuro é agora, não esqueçamos que o carro do futuro, muito provavelmente, será uma bicicleta! Quem estiver na frente quando tudo for "resetado", vai largar no embalo. A prova disto é que a feira já é muito parecida com a que acontece com veículos, os investimentos, estão grandiosos. Modelos ao lado de componentes e frames, algo que parece de ser de outro mundo. Um mundo completamente diferente do cotidiano brasileiro. Se é possível fazer um post assim a distância, baseado em depoimentos correspondentes ou em imagens, e videos, imagine estando lá. Quem sabe no próximo ano... quem sabe!