quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Experimentando outro guidão na GT Rave

Guidão reto e maçanetas compatíveis

Apenas para lembrar da virtude 4130

Modernidade com 7 V? Cada um...

Embora as melhoras com o ombro sejam notáveis para o cotidiano, toda vez que me apoio ao guidão sinto desconforto. A "ausência" dos ligamentos rompidos, e sabe-se lá como ocorreu a cicatrização do único que costuma ligar-se novamento, traz não exatamente dor... desconforto e receio. Sinto o ligamento sendo forçado quando estou em relaxamento em uma barra ou apoiado no guidão, a meros exemplos. Hoje, consigo fazer barra se eu quiser, mas se eu estiver sem os músculos em tração, logo percebo a necessidade do ligamento, e a dor que a falta deles me dá. Pensando que a cirurgia não é opção ao meu estilo de vida, pq no cotidiano voltei a ser "normal" (cuidado com o entendimento deste termo), entendi que preciso me readaptar as circuntâncias que agora vivencio. Amigos, especialistas de uma área ou outra, por melhores e otimistas que sejam, talvez não entendam perfeitamente minhas sensações. Talvez jamais possam... vivenciar algo traz a ti uma experiência e conhecimento que jamais serão compreendidos por aqueles que não partilham da mesma situação. Verdade que toda situação, é uma nova situação... nunca se repetem por igual. Adaptar-se é preciso, então vamos as tentativas... Outro dia, me lembrei que a única bike que não voltara a usar era querida GT Rave. Não usei mais pq precisava ter mais força nos braços, devido ao tipo de guidão, pegada diferente, e mais inclinado, necessitava de mais força... talvez a palavra fosse, resistência. Decidi então substituir o guidão da speed por um guidão reto, maçanetas de freio de mtb compatíveis com cantilever, e portanto com as atuais ferraduras de speed (as ferraduras de freio dela são exage "90's"). Apliquei também as manoplas que tanto tenho curtido, maior apoio a mão... melhor segurança. Embora a aparência não seja a mais compatível com de uma speed, e que também vai levar aos menos conhecedores a pensarem em um híbrida, achei que ficou bem confortável e cabível de uso. E não é que ela fica até simpática? Voadora, continua sendo... Roda pra frente!

Roberto Furtado