sexta-feira, 8 de julho de 2011

Alma gêmea do biker... a bicicleta! Ame-a!


A cultura e entendimento do homem diz que somente os seres vivos poderiam ser portadores de alma. Certa vez, em um dos meus posts, afirmei que minha bicicleta tinha espírito. A verdade é que tudo não passa de crença, suposição, e até um caminho para colorir a vida. Se a vida não fosse como gostaríamos, pelo menos em parte, jamais seríamos felizes. Se somos, logicamente, pq a vida adoramos. Hoje pela manhã, peguei minha GT Outpost, antes do amigo Carlos Polesello, e tomei o rumo do meu dia, pedalando de Ipanema para Teresópolis. Jornada pequena, uns 9 km, nada de especial em distância, exceto pelo frio e pelas subidas íngremes que o caminho possui. Como estava com frio, subi lentamente, assim, evitando o suador para não sofrer de frio na descida. Larga na banguela, deixei correr sem muito frenar. A sensação é especial, parece que não se acostuma nunca, talvez pq seja a melhor coisa do mundo, andar de bicicleta. Dado momento fiquei ligado, e percebi, que embora sempre tenhamos a família nos apoiando, existem momentos que sempre estaremos sozinhos. Não há um amigo, um familiar, ninguém... é você e a sua bike! No caminho me coloquei a pensar nisto, e cá estou. Escrevendo sobre isto, e de certa forma querendo até saber se isto parece da mesma forma para os outros como parece para mim. Porque se alguém que não compreende a bicicleta conversa comigo a respeito, acabo me sentindo um lunático, pq adoro algo que parece excesso. Será mesmo que a vida precisa ser vivida com limites? Precisamos realmente ser loucos se queremos nos manter na Terra do Nunca? E se este lugar for apenas estar na bicicleta? Quantas perguntas e sugestões!
Esta estranha estrutura fabricada com tecnologia, de certa forma manjada, nunca será ultrapassada. Veículo algum consegue ser tão popular, pessoa alguma consegue, estar sempre junto, somente a bicicleta pode acompanhar um vivente aonde quer que ele vá. Aonde vou, posso ir sozinho, pq sozinho, nunca estarei. A bicicleta é a verdadeira alma gêmea do ciclista. E que alguém não entenda que não temos ninguém... temos, mas a bicicleta é aquela que sempre nos leva aqui ou ali, toda liberdade do mundo, ou melhor, a maior liberdade que podemos ter. Um punhado de reflexão... talvez não leva a nenhum lugar, talvez o lugar seja dentro de nós mesmos. Poderosa bicicleta, ferramenta para a mente! Ame-a!

Roberto Furtado