sábado, 21 de maio de 2011

E como andam os projetos old school?

Sinto-me envergonhado... depois que caí de bicicleta, parei completamente meus projetos de reconstrução e restauração. Na verdade, já vinha tudo muito devagar, mas não foi exatamente intencional, ou como planejei. Primeiro, foi a falta de tempo, depois o tombo que me impedia de trabalhar a pleno, e com isto até os recursos para os projetos ficaram estrangulados. Todos estacionados... Agora, é tempo de retomar. Estou prometendo para não pensares que deixo para depois. De onde vou recomeçar, não sei ao certo, pq em reconstrução seguidamente esbarramos em uma cerca. A cerca que descrevo é o impedimento temporário. Prometi ao amigo Max que terminaria logo sua Giant Allegre, mas esbarramos na falta dos STI bem como ele queria, e também em um cambio traseiro preto. O negócio é procurar... agora falta pouco, esta quase pronta, exceto pela falta das peças citadas. Também sinto ter deixado para trás o projeto que eu mais queria ter feito (a Longtail), e não pude prosseguir porque parte das tarefas deste necessito de força no braço direito, algo que ainda não tenho. Enfileirados tenho ainda quatro quadros GT, um Caloi 700 C, Gary Fisher, um Peugeot, e mais os projetos single speed. Completamente esquecidos, eles me aguardam... mas não há dúvida alguma de que vou retomar. A tal Gary Fisher, modelo "Hoo Koo E Koo" 1995, necessita de diversos cuidados. Dentre eles recuperar a suspensão Rock Shox. Recuperar bikes antigas não é fácil! É tanta coisa... tem que ir em um, em outro profissional. Fala com o soldador, com o torneiro, pintor, etc. Garimpa peça, e não chega a fidelidade do modelo, mas fica próximo. As vezes é meio cansativo, mas quando fica pronto, acaba em alegria. Pena que não existem muitos fâs da mesma ideologia old school, embora seja crescente este tipo de prática.
Também fico pensando... será que um dia, alguém vai ter um quadro de Cr-Mo para vender? Cada vez é mais difícil, sempre aparecem quadros ruins, mas quadros bons, já são raros. No dia em que me ligaram oferecendo o Gary Fisher, achei que seria um quadro doente, pq parece que ninguém entende nada a respeito. Pensam que tem uma coisa boa, e a gente dá de cara na parede quando olha peça rachada, empenada, amassada. Não é fácil ser maníaco old school!

Roberto Furtado