sábado, 5 de março de 2011

Trânsito para bicicletas e educação

Depois de toda a confusão gerada pelo "atropelamento" dos ciclistas aqui em Porto Alegre, parece que as pessoas estão prestando mais atenção. Os motoristas de veículos automotores estão respeitando um pouco mais. O que me preocupa não é somente a falta de educação dos motoristas, mas também dos pedestres e dos próprios ciclistas. No calcação de Ipanema, a mero exemplo, caminhando com minha esposa, percebi que circulavam na calçada alguns ciclistas. Não creio que fosse um problema se estivessem devagar, cautelosos, na velocidade do passo humano, mas estavam passando por pedestres a velocidades superiores a 10-15 km/h, talvez a 20 km/h. Na mesma hora, lembrei de um caso onde ciclistas atravessaram o sinal vermelho de uma passagem de pedestres. Minhas reflexões se direcionam para a falta de educação e sensibildiade das pessoas num todo. Claro que no veículo de maior porte as consequências são mais desastrosas, mas vejo acidentes em potencial em todas as circunstâncias. Eu mesmo já fui atropelado por uma bicicleta que trafegava na contra mão, e cheguei a bater a cabeça levemente no chão. Felizmente não houve maiores problemas, mas poderia ter ocorrido. Muitos deixam tudo por conta do azar, do acaso, mas penso que uma determinada prudência é necessária. A pergunta que caberia ao duvidoso de minhas palavras seria com relação a calçada, se trafego sobre ela com a bicicleta. E a resposta é sim... é comum me ver passando em alguns trechos sobre a calçada, sobretudo quando vou ao correios, mas no complemento de resposta me defendo dizendo que sempre dou preferência aos pedestres, nunca desenvolvo grande velocidade sobre a calçada. Acredito que nem tudo precise ser seguido a regra, mas desde que as pessoas tenham bom entendimento do que pode ser risco a terceiros. Você escolhe andar de bicicleta, mas as pessoas que estão na calçada não tem nada com isto, portanto arriscar a vida delas pode ser chamado de um ato egoísta.
No calçadão de Ipanema, vejo diversas questões a serem debatidas... corredores e pedestres que usam a ciclovia como passeio, e ciclistas que usam a calçada como ciclovia. Não é justificável de forma alguma o uso da ciclovia para pedestres, ou o uso da calçada para ciclistas. Onde há espaço específico, sua utilização incorreta passa a ser uma violação dos direitos conquistados relativos a aquela finalidade. Ainda tem o caso de motoqueiros que insistem em usar a ciclovia para motos, casos mais raros, bem verdade.
Com tudo que tem acontecido, e com questões limitantes de espaço físico, e direitos para todos, penso que se todos respeitassem os limites determinados pela lógica e pela lei, independente de ter uma argumentação contrária praticamente individual (ou compartilhada apenas com uma minoria), tudo teria mais sentido, menos rancor, haveriam menos problemas, etc. Me pergunto todos os dias, independente da justificativa e consequência... o que teria acontecido aquele dia (dia do atropelamento), se todos estivem na pista da direita. O que teria acontecido? Talvez o protesto tivesse menos atençaõ das pessoas, mas haveria sido dada a chance do lunático atropelar meus colegas ciclistas? Fico confuso, pq poucos ciclistas tem me dado a razão sobre isto, mesmo que eu acredite cegamente em meus princípios. Nada justifica a atitude do "animal", mas talvez ele tivesse encontrado outro motorista, uma unidade veícular para confrontar, e não dezenas de ciclistas. Legítima covardia que ganhou oportunidade. Feliz finalizo o desabafo, pq embora fossem ciclistas contra o aço do motor, tudo acabou em ferimentos relativamente leves. Espero que isto nunca mais se repita, sendo já o mesmo de sempre... um sonhador!

Roberto Furtado