quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

O primeiro dia de Dezembro...

O ano todo vivemos as experiências de passar os dias correndo. O relógio se não é de pulso, é do celular, que neste caso é apenas um agravante da situação. Olhamos para números representativos que medem o periodo do dia, e no afobamos. Corremos com a mente mais que o corpo, pq parece que o corpo tem mais limites que a mente. Esta é uma reflexão e posição de ciclista! O corpo pode menos que a mente, algo já meio guerra nas estrelas, tipo que a força esteja com você, algo assim. E se a mente pode mais que o corpo, então é ela que acelera o relógio do nosso organismo, nos colocando muitas vezes em uma tentativa de superação "insuperável". Olhamos todos os dias, a todo momento para o relógio, e realmente esquecemos como devemos ver o dia. Olhar para um céu azul em dado momento, nos traz de volta a realidade, mesmo que seja por apenas um segundo. E se por um lado há contra, existem os prós, pq da mesma forma olhamos para o relógio quando temos um passeio de bike programado. Por volta das 18 horas já começo a pensar bicicleta, ou se haverá tempo para voltar do trabalho para casa usando a magrela com meio de transporte. Estas referências de tempo e espaço são momentos em que nos vemos sufocados. A concentração neste "foco" de vida é despropositada, e o melhor realmente e deixar a bola descer a ladeira, sem cronometrar. Hoje, enquanto tomava café da manhã com minha esposa, contávamos o os dias de plantão de minha mãe para saber se ela poderia estar presente nas festas de fim de ano. Ao pegar o calendário na mão, arranquei a folhinha do mês de novembro e percebi a mágica da vida que passa voando. Sim, 2010 começou ontem e acaba amanhã, numa sensação de que parece não ter os 12 meses do ano, compostos por seus 30 dias cada. Felizmente existem "choques" como este que nos trazem a realidade... e não deveríamos pensar que podíamos ter feito mais, e blábláblá. Devíamos acreditar que podemos realmente fazer tudo, sem marcar o tempo, e sem deixar de passar bons momentos com a família ou realizando outra coisa de que gostamos tantos... como pedalar!

Roberto Furtado