segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Uma speed vintage...

O amigo Ewerton tinha comprado esta bike, e depois até deixamos no Tchaka para ser feita uma geral na bike. Quando ele fez uma proposta para ficar com a minha full (GT Idrive), perguntando se poderia incluir esta relíquia no negócio, disse a ele que sim... Acabei ficando responsável por esta Vintage que traz no canote a indicação do ano de fabricação, neste caso, 1978, primeiro semestre. Então a pergunta é o que fazer com uma speed feminina da década de 70. Como fora comentado no outro tópico, o proprietário anterior trocou os aros por estes vzan 27" que aparecem nas fotos, cometeu um erro. Nada irreversível, e também é importante lembrar que cada um faz como acha que fica melhor, pq ter um material original para deixar guardado na garagem, não faz o menor sentido. Neste último sábado, depois de trabalhar, voltei a casa de minha mãe e comecei estudar as possibilidades. Troquei estas rodas que vinham nela por rodas que tinha aqui, em excelente estado. As novas rodas 700C possuem aros em cor de aluminio, algo muito mais próximo da realidade deste velha e veloz bike. Os raios agora são de inox, mesma marca que acompanham as bicicletas da GT. Os cubos são promax polidos, e a pinha coloquei de 6 velocidades, aumentando uma velocidade em relação ao original. Desta forma aumenta-se a combinação de velocidades, e também alonga-se a relação, já que a menor da pinha é menor que a original. A pergunta que muitos devem estar pensando em fazer, seria a respeito das dimensões e compatibilidades entre rodas. Estranhamente, embora sempre envolvido com estas maravilhas, nunca havia pensado a respeito... a diferença entre rodas é pequena. O diâmetro de rodas tem apenas um cm de diferença, aproximadamente, e no raio isto significa cerca de meio cm... necessita de ajuste das sapatas de freios, mas não é necessários trocar a ferradura. Estou pensando que se ela ficasse como esta, talvez jamais utilizasse. Em casa comentei com a esposa, e ela ficou curiosa, até me fez entender que andaria nesta, despertando em mim a esperança de um dia vê-la passear de bike comigo. Pensando nisto, creio que tenha que reformular a configuração de guidão. Acho que um guidão ao estilo destas bikes da mesma geração, como naquelas que a versão era semelhante, porém destinada ao passeio. Um guidão mais alto, que traria mais conforto e comodidade, especialmente ao frenar. O problema todo é que tem faltado tempo para garimpar peças, procurar por serviços de reparação, e perder horas na oficina. Este não é o único projeto que se arrasta... lembrando da single speed,da full, e de outras tantas que não vejo a hora de acabar.

Roberto Furtado