segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Bagageiro - 1ª parte

Bagageiro em Cr-Mo (imagem retirada do rivbike.com)
                                
Ainda na arrastada tarefa da elaboração da GT Outpost, sigo nas reflexões e na difícil execução desta operação. Sobre o bagageiro, vai ter quem diga para comprar pronto, mas penso que algo desenvolvido especialmente para finalidade, com suas medidas escolhidas, acaba por ser um resultado mais especial.  O chamado customizado. A gente não deve esquecer que gostar de algo, traz dificuldades agregadas, e o gostinho vem valorizado pelo desafio. Quero um bagageiro simples, feito em aço, delicado em aparência, mas forte, capaz de suportar uma criança grande como carga (apenas uma referência). Não que vá efetivamente usar para carregar uma criança ou uma carga semelhante, mas para fugir de efeitos conhecidos como a fadiga. Os alforges que ainda não tenho, já sei quais usarei. Possivelmente a altura do bagageiro terá alguma regulagem de altura, e logicamente terá também algum recurso de ajuste na fixação de mover este para trás e para frente, possibilitando solução fácil para bikes curtas, onde o calcanhar poderia pegar no alforge. Tem muita coisa para pensar, não é tarefa das mais fáceis, mas como disse antes, a dificuldade coloca um gostinho especial nesta investida. Esta semana vou definir algo, nem que seja um protótipo parcial... algo que me dê diretrizes mais concretas, talvez fruto de testes. 
Tinha uma idéia de fazer um cicloturismo rápido... algo com uns 800 km no total, para no máximo 10 dias. Isto seria para março de 2011, já que não tenho o material como gostaria, e também preciso me programar em função de trabalho e outras questões ligadas a disponibilidade de tempo. 
O bagageiro da foto, embora de Cr-Mo, achei-o um pouco reforçado demais... mas é isto aí mesmo. Pretendo usar barras mais finas e maciças, este da foto me parece ter sido construído com tubos.
Este tema deve se estender por aqui... pq acredito que tenha muitas considerações para levantar devido ao tipo de uso, e pobreza de materiais disponíveis no Brasil. 

Roberto Furtado