quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Mais um trike...


Este outro modelo de Trike também é muito bem feito. O capricho não se limita ao frame, mas os componentes são muito bons também. É possível perceber na foto que ele é semi amortecido, possuindo um elastômero que se deforma na compressão da articulação entre a balança traseira e o chassis. É incrível como este tipo de triciclo tem evoluido e ganhado adeptos. Na Europa é febre... tem ciclista que trocou a bicicleta por Trike, e faz até trilha com este. Acho que um Trike não inibe a tradicional MTB, Speed ou outra categoria de pensar bicicleta. Trikes são inadequados ao trânsito de Porto Alegre e outras grandes cidades. Escondem-se facilmente atrás de carros estacionados, fugindo completamente da visão de motoristas, e isto poderia gerar um acidente grave. Bicicletas permitem a visualização por cima do teto dos carros, e também permitem que seus condutores sejam vistos por todos os outros veículos no trânsito. Mesmo sem experimentar um Trike, posso concluir diversar questões onde suponho que sejam semelhantes a bikes reclinadas, que carregam o mesmo porém de trânsito. Definitivamente, o Trike deve ser uma opção de uso bastante limitado... talvez possa ser usado em viagens onde o acostamento for largo e bom, algo incomum no Estado do RS. Talvez um dia esta maravilha em engenharia ciclística possa rodar bem adaptada as cidades. A foto não é de minha autoria, mas estava no mesmo link da postagem de ontem... aquele que perdi.

Roberto Furtado