sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Bicicleta para toda hora! A GT de Cr-Mo, revitalizada!




Quando comecei a montar a GT das fotografias e do título, pensei que ela seria uma extensão do projeto "bike de padaria". Para quem lembra, a bike de padaria era uma Nishiki Manitoba que recebeu guidão e mesa elevados, e também componentes de acordo com a proposta, simples e funcionais. É verdade que o menos é mais... a gente nota no pedalar, que a simplicidade é também qualidade. Serenidade, praticidade e uma bike modesta, resulta em passeios tranquilos em uma cidade que pulsa contra o pedestre e o ciclista. Em carros, as pessoas parecem estar mais protegidas de assaltos ou furtos, e neste caso, a bicicleta simples pode levar vantagem. Pequei na cor escolhida para bicicleta, se o assunto for discrição, mas acho que o uso de bagageiro e cestinho deve "humildizar" a aparência ressaltada pela pintura chamativa. Também não dá pra ser humilde demais, pois mesmo o conceito "menos é mais" tem seus limites. Houve um tempo em que tentei andar em algo mais simples, mas um simples que já não havia qualidade, como as bikes de supermercado ou velharias sem qualidade do passado, e descobri uma valiosa lição... menos é mais em coisa boa. Em coisa ruim, menos é sempre menos... Já dizia meu avô: "Beto, vai botar coisa boa em cima de coisa ruim? Não faz não..." E ele tinha toda razão. Então se for para colocar coisa boa e simples em cima de frame de qualidade, faço! Se for para colocar coisa boa e simples em cima de frame ruim, passo a vez!
Voltando ao assunto do bagageiro, coloquei ele bem para trás e um pouco altinho para viabilizar o uso de um alforge pequeno, que me permite ir ao supermercado. Desta forma os calcanhares não encostam no alforge. Fiz um pequeno teste, fui até o bairro Azenha para buscar umas peças e realizar o trabalho de correio, e aproveitei para fazer um pequeno exercício. Gostei bastante de algumas coisas, da dinâmica da bicicleta, da capacidade de carga, do silêncio ao rodar. Até que se encontre um dono para ela, ou até que eu consiga remontar a GT outpost verde, sigo usando la bici para tarefas urbanas.
A sequência, a GT recem montada pelo amigo e necânico Tchaka, funciona perfeitamente. Um relógio preciso foi a sua descrição para qualificar o funcionamento do conjunto... e o conforto, por conclusão de ambos, é de uma bike urbana, feita para andar nas vias, com a visão na altura do que interessa em primeiro plano, a segurança. Mais uma vez, meus agradecimentos ao amigo Tchaka.

Montagem e regulagem: Carlos Horn (Tchaka)
Projeto, fotos e texto: Roberto Furtado (Andarilho)