domingo, 11 de abril de 2010

GT Rave - Ressurreição da velocidade 1

Já tem muito tempo que tentava remontar esta speed. Comprei ela nem me lembro quando, mas acredito que a uns 2 anos atrás. Entrei no mercado livre, e no anúncio informava o valor que na época pareceu bastante atraente. Tentei ampliar as péssimas fotos postadas pelo vendedor, e consegui ler o modelo da bicicleta. Vi que se tratava de uma Rave, e que estas eram fabricadas em Cr-Mo. Tive receio do quadro ser grande para mim, e de certa forma seria... especialmente nos atuais conceitos, onde as bikes de tamanho 18" parecem nanicas (apenas citando um tamanho). Mudaram a forma de medir, mudaram as geometrias, e nada é mais como na década de 90, onde acredito ter me encaixado. Fico sendo aquele um "homem fora do seu tempo", mas não me importo, pois sei exatamente do que gosto. Gosto destas magrelas... as magrelas fabricadas em Cr-Mo. Chegando em Canoas, encontrei o endereço do vendedor, pertinho da Universidade. Lá estava ela... praticamente doente, morta! Havia fita no guidão, mas não fazia diferença nenhuma, pois "maltrapilha" estava a dita. Tudo que possuia cromado, estava morto... ferrugem, até pelos olhos da bike. O quadro se apresentava razoável, embora possuisse muitos piques sem tinta e já com ferrugem. O cara meio que se ofendeu quando disse que ela estaria dormindo no tempo... Barganhei mais um pouco, ele deu uma insistida, dizendo que ela só precisava de pneu. rsrssrsrs
Não era exagero meu não... mas a bichinha tava com a mesa de cromo descascada e enferrujada, as peças de aluminio eram foscas, e os cromados mesclados com ferrugem. No fim deu tudo certo, acertamos o valor, trouxe para casa e deixei guardada. Comecei a desmontar e fui vendo o que seria aproveitável. Arrumei um garfo de Cr-Mo da marca spinner, já com espiga aheaset longa, e mandei pintar. Coloquei na bike uma caixa de direção sem rosca, preta, discreta. Comecei a montar com o que tinha em casa. Receu mesa e um selim novo, canote... e o restante era usadinho bom, guardado com carinho em casa, justamente para uma bike destas. Levei no Tchaka, e ele com a maior boa vontade montou e ajustou, deu o devido merecimento para o novo brinquedo. Coloquei duas fitas de guidão, uma sobre a outra, pois uma só achei que ficou duro. Desta forma melhorou o conforto. Os pneus também usei maiores que os originais, de medida 700 x 28, deram mais conforto. Neste sábado a tarde, saí para encontrar o Raul e fazer um teste na bike. Gostei... é muito diferente do tenho hoje (uma GT Corrado e uma GT Transeo), mas a diferença é que torna o brinquedo mais divertido.

Foto: Raul Grossi
Texto: Roberto Furtado