quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Espectativas para a linha 2010 e Reflexões sobre 2008 e 2009

Chega mais um fim de ano, o tempo "voa" no piscar de olhos. O lado do bom do tempo que passa rápido, para nós ciclistas, é poder ver lançamentos das grandes marcas. Já não crio mais esperanças quanto ao tipo de material, pq esta consagrado o aluminio e o carbono como materiais "permanentes" do mercado atual. Logo logo devem entrar os quadros em termoplásticos e coisas do gênero que uma vez vi anunciados como projetos do futuro para grandes marcas... anos atrás! Estranho que até agora ainda não os vi, muito menos em linha de produção como imaginei, devido a velocidade de confecção destes. Uma injetora e um suspiro, e pronto! Estaria feito o quadro em segundos... finaliza-se o processo e monta-se o quadro. Rápido como nenhum outro para fabricar, barato pela quantidade em pequeno tempo, parecido com carbono em acabamento nos encontros dos tubos, leve, nem tanto quanto carbono, mais que o aluminio, flexível como o aço... sim é possível! Nem pintura necessitaria, acabamento superficial perfeito, como nos parachoques, painéis e outros itens dos carros. Talvez ainda seja caro produzir moldes para tamanhos diferentes dos quadros, esta pode ser a justificativa da demora. Não me surpreendo mais, pq as tendências foram abaladas em investimentos após a crise de 2008-2009, e a recuperação é uma inércia que os entendidos insistem em explicar (como se fosse possível explicar algo tão psicológico como a economia mundial). Sinto que o tempo realmente passou... para quem andou sobre bikes de Cr-Mo, o tempo se foi, não voltará mais a não ser para quadros cujas as cifras superarão 5, 6, 7, 10 vezes os quadros de aluminio mais baratos. Também... pq fabricar quadros que duram anos? Vender quadros que duram 4-6 anos, se tanto, são mais lucrativos. O giro é importante, talvez a economia mande na escolha dos processos, na nossa forma de vestir, andar, respirar.
O que esperar de 2010? Espero lançamentos, desenhos novos, novas tecnologias para aproveitar com maior desempenho estes materiais que vieram para ficar. Vi que a GT bicycles esta com uma linha bastante atraente, como era de se esperar de uma marca tão tradicional... tradição em andar na frente! O perfil e as formas das bikes 2010 da GT são lindos... quem já espiou, sabe o que falo.
Pensando no que realmente é importante, deixo este desejo de tanta tecnologia, e prefiro almejar paz e segurança para os ciclistas. Um trãnsito mais saudável seria um pedido mais maduro para 2010.
Roberto Furtado