sábado, 21 de março de 2009

Audax de 200 km POA 15.03.2009 - avaliação do evento

Após ter recebido a postagem do amigo Carlos Polesello, achei que um relato meu ficaria duplo aqui, principalmente sobre o mesmo evento. Como crítico, busquei uma nova opção, para oferecer aos amigos, colegas e a organização, questionamentos que buscam o amadurecimento e crescimento deste evento que tem se mostrado genial e contagiante. A verdade é que prestei muita atenção em comentários de diferentes colegas, para não me basear somente em minhas próprias conclusões. E é lógico que a forma exposta é pessoal, mas nem por isto desmerece ou tira o crédito da crítica, ou da própria organização. É notável que a organização foi bem sucedida em sua grande parte. Considerando que nada é perfeito, e que nem tudo poderia ser... resolvi atribuir pontos para diferentes critérios e detalhes da prova. É importante para o conhecimento dos próximos audaxiosos, da organização (que foi muito boa), e da preparação dos experientes quanto a variações entre condições e provas diferentes. Os critérios se estedem questões da estrada, organização e qualquer detalhe que influencie o rendimento, segurança e atuação dos participantes. A forma de avaliação não utiliza médias dos pontos obtidos. Foram levantados 10 pontos. O que realmente se reprovou (de responsabilidade da organização), descontou-se meio ponto da nota geral.

- Avaliação geral da organização = 8,5
De maneira geral, a organização foi excelente, porém percebe-se nitidamente que há muito o que melhorar para aumentar a qualidade do evento. Falhas mínimas na divulgação, falta de uma cobertura fotográfica profissional, falta de água no último controle antes da finalização da prova, descontaram pontos e trouxeram a pontuação para baixo. Atribui cerca de meio ponto para cada uma das falhas que julguei importantes, porém estas tem importâncias diferentes.

- presença do patrulhamento rodoviário estadual = 9,0
Sabendo-se que faltam patrulheiros para cada estrada, conceitua-se muito boa a presença e atuação da Polícia Rodoviária Estadual. Já a policia rodoviária federal não foi atuante, achei-a bastante ausente.

- sinalização = 7,0
A sinalização presente no trajeto, em sua maioria foi muito boa, deixando a desejar em trechos onde não havia concessão de rodovia e pedágio.

- condição média da via = 8,0
A pista de rolagem, a via propriamente dita estava muito boa, porém haviam alguns buracos que poderiam em muito prejudicar a segurança do ciclista. Houveram momentos que não era possível ou era inexistente o acostamento. Como o acostamento estava em diferente condição, achei melhor separar a avaliação para julgar corretamente.

- condição média do acostamento = 4,0
Péssimas condições do acostamento, em muitos trechos haviam lixo (inclusive perfurantes para os pneus), galhos, animais mortos, e outros objetos que poderiam ter sido marcados e retirados antes da prova. É lamentável e de responsabilidade do governo a falta de investimento nas rodovias. Como se não fosse o bastante haver falta de educação do condutores brasileiros, a estrada oferece pequenas armadilhas que poderiam resultar em grandes acidentes. Por este motivo, achei que não era possível pontuar melhor o acostamento da rodovia, que é justamente o espaço que poderia evitar um acidente ou permitir o trânsito de pedestres ou ciclistas.

- distribuição dos PCs = 10,0
As distâncias dos PCs estavam excelentes, proporcionando paradas obrigatórias que ofereciam o descanso seguro dos participantes. Prestando atenção era possível perceber a mudança necessária na forma de pedalar após a saída de cada PC. As paradas que antecediam estas mudanças na estrada, no ritmo e no frequencia, foram importantes para que o ciclista de "ambientasse" na nova fase da estrada. Portanto, a organização foi muito feliz na escolha dos pontos, tendo intenção ou não deste detalhe.

- disponibilidade de água no PC3 = 5,0
Tudo estava muito bem, porém houve um grave erro perto do fim da prova para os últimos participantes. Na 4ª parada (no PC de número 3), justamente para os últimos participantes (os mais desgastados), faltou água. Uma vez que foi disponibilizada água para os participantes, os mesmos contaram com esta parada para hidratar-se, e não havia mais água para enfrentar os últimos 50 km. Obrigando os participantes a beber água de torneira (e assumir os riscos) ou parar novamente em outros locais para obtenção da mesma.

- qualidade dos PCs = 8,0
Foi boa a qualidade de ambos os PCs, houve bom atendimento, embora demorado e citado o episódio da água.

- escolha do trajeto = 9,0
Mesmo que partes da estrada estivessem ruins, a escolha do trajeto foi muito boa... onde não haviam boas condições de acostamento, não havia movimento intenso de veículos, permitindo que os ciclistas trafegassem pela estrada com boa segurança.

- divulgação = 6,0
Achei fraca a divulgação do evento, contudo, houveram pessoas que acharam que a divulgação foi boa. Com certeza poderia ter sido melhor. Nos sites de busca da internet, não aparece nada com pouca pesquisa.

- realização e arquivamento de imagens = 3,0
Embora a organização tenha afirmado que contratou empresa para fotografar, houve apenas realização de fotos não profissionais, tamanho das imagens muito reduzido, imagens escuras e com muito ruído, ponto de premiação com iluminação precária (impedindo que familiares fizessem boas fotos), escolha ruim dos pontos de fotografia. As imagens realizadas e fornecidas por voluntários foi de boa qualidade nos locais claros, embora de tamanho reduzido.

Obrigado a todos, parabéns aos brevetados, aos voluntários e a organização.

Roberto Furtado