terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Um sábado de 230 km ( Pinhal - POA - Pinhal )

Durante a semana, programamos uma ida ao litoral... especificamente ao Balneário de Pinhal, praia de Oceano mais próxima de Porto Alegre (112 km). Nos reunímos na casa do amigo e mecânico de bikes, Tchaka... também conhecido como Carlos! rsrsrsrs
Ao todo, 14 bikers, sendo 13 garotos e 1 garota! Prontos pra jornada, partimos as meia noite e meia, e pedalamos em ritmo forte. Após passar 5 km do pedágio, a bike do André teve o aro danificado, supostamente pelo excesso de pressão. Aguardamos com ele, pelo socorro do pedágio (por sinal nota 10), e continuamos. Depois de pedalar cerca de 55 km, estourou a lateral do pneu do Rossano... por sorte havia um pneu extra, que salvou a noite do biker! Durante a troca de pneus, fomos atacados por um "enxame" de pernilongos vorazes! Ninguém podia ficar parado, senão era sugado até ficar seco pelo mosquitos assassinos. Feito reparo na bike, continuamos, chegamos a Capivari do sul... agora faltavam apenas 30 km. Tudo certo, lenha na máquina, e média de 25 km/h... as vezes, por curiosidade, olhei o GPS que indicava velocidade momentânea de 29 km/h. Ficávamos em "fila indiana", aproveitando o vácuo do colega da frente.
Passamos pelo tunel verde, e começava a clarear a noite, indicando o próximo nascer do sol. Finalmente chegamos a beira da praia, alegria e emoção, de uma empreitada bem sucedida, com parceiros leais, sem dormir... o sol nasceu, lindo! O Eduardo tomou banho de mar, incrível! Disse ele que a água era quente, mas ninguém quis entrar no mar. Saímos da beira de praia, e fomos a padaria Santo Antônio, ao lado da SAPP, tomamos um delicioso café da manhã (mesmo que estivesse ruim, com a fome não seria problema). Após o café, nos despedimos (eu e Rossano), e fomos a uma velha casa de meus pais, onde dormimos até o meio dia. Levantamos, fomos almoçar... voltamos pra casa, e descansamos até as 17 horas para repor energias. Levantamos, arrumamos as coisas e "deitamos o cabelo" (somente eu e Rossano). Nesta altura, já eram 18:30 quando pegamos a estrada. Estrada movimentada, chegamos a Capivari por volta das 20 horas. Comemos uma torrada, e voltamos a estrada. O GPS indicava velocidades entre 23 e 28 km/h na maior parte do tempo, e logo chegou a noite... escuridão que era intermitente pelos faróis. Faróis que vinham contra, ofuscavam a vista e escondiam buracos, prejudicando o pedalar suave e contínuo. Muitas vezes, foi preciso pedalar de pé, pra amenizar o impacto dos buracos do acostamento. O acostamento esta terrível na RS 040, hão parte muito boas, mas hão trechos terríveis. Imperdoável uma estrada com pedágio e que apresente um acostamento naquele estado.
Forte na pedalada, e poucas paradas (paradas rápidas), passamos por Capão da Porteira... em seguida estavamos em morro alto. A cada km consumido, uma vitória e satisfação, e a certeza de que logo estaríamos em casa. Quando chegamos ao pedágio, logo foi possível imaginar a chegada em Viamão... e assim aconteceu. Passamos em Viamão, que aparentemente não tinha movimento normal, estava calmo. Passamos pela ponte que divide Viamão e POA, logo adiante o campus do vale da UFRGS. Pegamos a Avenida Ipiranga... a hora exata de 11:56 do mesmo sábado. Na altura da 3ª perimetral nos separamos. Agradecemos um ao outro pela parceria, e acredito que esta será uma aventura que jamais esqueceremos... o dia em que fizemos 230 km em um só dia, aproximadamente 11 horas de pedalada!
Obrigado a todos que participaram desta empreitada, e não esqueçam de me convidar pra uma próxima! rsrsrssrs

Considerações pessoais:

- o ritmo da ida foi muito forte;
- poucos quiseram voltar, mas muitos conseguiriam;
- a bike trek 820 estava especialmente confortável e confiável, graças ao Tchaka;
- poderíamos ter feito um dia de descanso;
- poderíamos ter dormido antes da jornada começar;
- não esquecer, nas próximas vezes, de levar peças extras (pneus, corrente, etc);
- revisar a bike antes da viagem é fundamental.
- não lubrificar a bike para viajar a praia no dia seguinte, é preferível rodar com ela por uma semana, desta forma a lubrificação excessiva se desprende da corrente, evitando transformar a corrente num croquete!

Grande abraço

Roberto