segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Audax 200 Km Santa Cruz do Sul 30/11/2008 Relato participante Carlos Polesello


Quando o Roberto pediu para um fazer um relato do que foi o Audax, a primeira coisa que pensei é falar, o porquê dos 6 Audax feitos por mim, (5 de 200 Km e 1 de 300 Km), 5 foram na cidade se Santa Cruz do Sul. Só uma palavra define isso. Organização. Na nossa vida se não houver organização, teremos um numero maior de problemas. Quero fazer um relato breve, sem muitos detalhes para não ser cansativo e chato de ler. O Audax de 30/11, foi o que o pessoal de lá chama de “volta na quadra” pois vai por um caminho e volta por outro, quase um quadrado. Saiu rigorosamente as 6:00 H. da manhã do trevo de acesso de Vera Cruz e Santa Cruz do Sul segue até Candelária, passou por Cachoeira do Sul até a BR 290 em direção a Pântano Grande, passou por Rio Pardo e terminando em Santa Cruz do Sul. Foram 3 PC’s, como deve ser um 200 Km, nos Kms 47, 112 e 158, todos muito bem organizados, com água, frutas, cucas, pizzas e instalados em locais com estrutura onde poderiam ser adquiridos outros produtos para consumo. Incluindo a isso, uma ambulância de plantão, uma fisioterapeuta / massagista onde poderia ser feitos alongamento, uma enfermeira para algum mal estar e um apoio mecânico para acertos que por necessidade viesse precisar a Bike. Como a prova foi extremamente difícil, até no Km 158 (PC3) com muito calor, muitos fizeram, massagens e alongamento, aplicaram muito protetor solar e tudo o que pudesse ajudar para o percurso final. A partir daí, que saiu deste PC em direção a Santa Cruz do Sul por volta das 13:00 H. ou 14:00 H. fatalmente pegou uma chuva muito forte, com algumas rajadas de vento lateral que no meu caso até jogou a Bike para os lados. Foi também o Audax que mais fiz o percurso sozinho, mais de 100 km pedalando “solo”, o que torna muito mais cansativo. Por curiosidade, iria contabilizar quantos litros de água, isotônico, refri, enfim líquidos eu consumo nem Audax com temperatura elevada, e ficou em 7,5 litros. Não existe Audax fácil, mesmo para os mais experientes, sempre vão surgir problemas, então para os iniciantes, tudo vai contra. Os que iniciam nesta “aventura” sempre na segunda ou terceira prova já não farão ou levarão coisas que fizeram e levaram na primeira vez. O mais legal e interessante de tudo é que quando eu estou na chuva com frio ou no sol com temperatura altíssima, pedalando sozinho, cansado, com sede tudo incomodando, sempre digo para mim mesmo. - “Este é ultimo que farei” mas, já na segunda-feira acesso a internet para ver o calendário de quando será realizado o próximo. Mas, conforme foi trocado idéias com outros participantes, isso acontece com eles também. É claro que pretendo que esse não seja o ultimo, mas a partir deste, serei ainda mais seleto nos que farei, dependendo sempre do nível de organização. Como disse no início deste relato, preferi falar mais da organização do evento (em Santa Cruz do Sul são dois bons organizadores). Quero deixar também registrado todo o esforço do pessoal do Valim (organizador do evento) que, fazem sempre tudo para você se sentir em casa, atendendo a todos com muita paciência, competência e sabedoria, que é um dom que não pertence a todos.
Carlos Polesello

O relato acima foi cedido pelo amigo Carlos Polesello, com quem tive a oportunidade de realizar uma prova de Audax em POA. Adorador do esporte e da atividade, além de grande companheiro, descreve ele, a experiência de ser "Audax". Parabenizo idealizadores e participantes pelo excepcional evento, e em especial ao Carlos, pela participação e descrição.
Um grande abraço

Roberto Furtado