segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Uma Bianchi "Single Speed"

Bianchi single speed prateada, visão lateral
Uma Bianchi timber wolf com pneus 700 x 35 em versão single speed,
Abaixo segue o relato do amigo Raul na sua experiência construtiva da single speed:


"Há uns quatro meses, conheci a bicicleta fixa (fixed bikes, se quiserem pesquisar na web) do nosso companheiro de passeios ciclísticos Fábio Lazarotto; sem marchas, sem catraca. Simples, leve e com visual limpo, quase minimalista. Feita à partir de um quadro de Caloi 10 modificado. Essas bicicletas formam ultimamente uma categoria própria no ciclismo urbano dos EUA e Europa. Nas pistas são usadas há tempo. Após pesquisas na Internet e conversas com o amigo Beto e o próprio Fábio, resolvi montar uma bike semelhante, porém com catraca e sem marchas (single speed bike, se quiserem pesquisar), dando finalidade à um quadro Bianchi MTB tamanho 23", fabricado em aço cromo molibdênio com tubos de perfil bastante delgado que jazia inativo em casa. Nessa bike resolvi incorporar também um desejo latente de ter rodas 700 numa MTB, característica de bikes híbridas; tal adaptação o Beto já havia feito com sucesso. O principal no quadro Bianchi foi alterar os encaixes do eixo traseiro nas gancheiras do quadro, agora horizontais, possibilitando regulagem da tensão da corrente. Também foram removidos os pivôs de v-brake, já que o novo freio será de speed. Nessa tarefa foi fundamental o trabalho de nosso agora amigo (ex-ciclista profissional e construtor de quadros, atual proprietário de oficina, apaixonado por bicicletas), Sr. Possidonio Zenger, lá da Otto Niemeyer. Em poucos dias o Zenger fez as alterações. E montou a bike. A pintura fica pra depois. Ficou assim: quadro MTB, rodas bitola 700 mm, freio dianteiro (apenas) de speed, marcha única (com catraca) com relação 44 x 16 dentes, guidom reto e curto. Uma híbrida de marcha única. Única... Mas pra que alguém renuncia à comodidade de uma bike de 21/24/27 marchas para andar numa marcha única? Ora, não se trata de renunciar à bike de marchas; apenas foi criada uma alternativa relativamente barata para ir ao supermercado, outras corridinhas curtas, e passeios urbanos de fim de semana, em trajetos planos ou quase. Sem preocupações maiores. Numa bike despojada assim, não preocupa muito acorrentá-la num poste ou num estacionamento de supermercado. Tudo isso sem pensar em bater recordes de velocidade nem colecionar quilômetros rodados, apenas pelo prazer de pedalar..."

Raul Grossi


Meus agradecimentos ao amigo Raul pela foto e texto.