segunda-feira, 27 de julho de 2015

A bicicleta da competição... e a assessoria de imprensa no Brasil

Lucas Bertol, Carlos Barbosa, 2014.
          Antes que as pedras sejam arremessadas em nossa direção, começo explicando que a culpa não é dos profissionais da mídia especializada. Se trata, evidentemente, da falta de investimentos na assessoria de imprensa nos esportes da bicicleta no Brasil. Isto transparece facilmente quando vc vê um grande evento competitivo da bicicleta em realização... ao término, todas as informações básicas deveriam ser divulgadas em não mais que 30 minutos. Ou seja, desceu o último atleta do downhill, a lista de classificação dos 10 melhores deveria ser publicada em meia hora. Todos os os organizadores acham que isto não é necessário, mas a realidade no exterior é diferente. Exceto quando há dados extras para calcular, como nas questões de pontuação para conferir, devem ser rapidamente publicados tais resultados. Quem já esteve acompanhando estes grandes espetáculos sabe que isto é uma realidade. 

Assessoria de imprensa... 
             
         Algumas pessoas me perguntam pq não fazemos assessoria de imprensa... e em primeiro lugar faço uma comparação sobre isto. Um mecânico de automóveis especializado em sistema de alimentação de motores de combustão interna, poderia fazer o trabalho de um mecânico eletricista de automóveis? Sim, poderia, em muitos casos... mas ele faria com tanta segurança? Não, pq ele não esta acostumado, não tem a experiência que o primeiro tem com injeção de alimentação de motores. Isto explica a questão... mas algumas pessoas dizem: "ah, mas vc escreve!" Bom, deveria ser papel e capacidade de qualquer profissional saber escrever um mínimo. Um repórter fotográfico é um jornalista e, toda informação que ele passar ao jornalista responsável pela produção jornalística deve ter o maior número de informações que puder ser passada. Se é relevante, o repórter fotográfico, deve entregar juntamente com as imagens, informações anotadas sobre o assunto. No Brasil há poucos profissionais com a qualidade necessária sobre este assunto... Assessores de imprensa de alto nível, conheço em duas empresas do jornalismo especializado. Já tive o prazer de acompanhar, como espectador, o trabalho da Bike Magazine Press e da Seppia Geração de Conteúdo. Responde pela BM Press o jornalista Marcos Adami, antigo no meio, apaixonado pelo ciclismo e mantenedor da mídia online Bike Magazine; A jornalista Dani Prandi, trabalha junto com Marcos, assim executam um dos mais belos trabalhos na geração de conteúdo da competição vistos no Brasil. Carlos Ghiraldelli representa a Seppia, que faz um trabalho em competições, mas também atua fortemente no setor comercial da bicicleta, sendo presença garantida em todas as feiras do comércio e indústria da bicicleta. 
Estes profissionais são especializados na geração de conteúdo de eventos que envolvem a bicicleta. O trabalho sempre é feito em equipe... um gera assunto, outro anota as informações do fato, outro fotografa, grava, etc. É um trabalho de equipe e, gerir e escolher uma equipe é atribuição da função de assessor de imprensa. 
Portanto, quando vejo atletas reclamando que as informações não foram divulgadas com qualidade, significa que não estão chamando profissionais para realizar estas funções. Estão pagando pessoas não capazes, não habilitadas e muitas vezes, semi analfabetas para realizar o trabalho de um jornalista. E quando falo em semi analfabeto, cito exemplos sem nomes... tem pessoas que não sabem nem mesmo tempo verbal e estão se auto afirmando "assessor de imprensa"! Pode? Pode... tenho visto, todo mundo esta observando isto no Brasil. 
              Fico por aqui, parabenizando os colegas que continuam fazendo o trabalho, em meio a este mercado que não valoriza estes profissionais da imprensa. Repórteres, cinematográficos ou fotográficos, assessores de imprensa, diagramadores, repórteres entrevistadores, todos possuem funções especializadas que merecem atenção e respeito, pois esta é a única forma de criar uma cultura da bicicleta conhecedora e valorizadora da bicicleta. As revistas, jornais e mídias online precisam ter qualidade para o crescimento da bicicleta brasileira. Agradecimentos a Revista Bicicleta por absorver meu trabalho e por acreditar nestes ideais verdadeiros.