quarta-feira, 25 de março de 2015

Manutenção da suspa...

A oficina móvel do Kamika pode ser vista nas competições de DH, mas ele trabalha na zona sul de Porto Alegre.
          A tal iniciativa de montar uma bicicleta nova me deu algumas tarefas... minha suspensão esquecida na prateira, uma Rock Shox J4 estava precisando de uma manutenção. A suspa esta comigo desde nova e não foi tão usada, mas idade ela já tem... deve ter uns 8 anos. O que mais gosto nesta suspensão é a presença do dispositivo U-Turn, mas ela tem trava e controle de retorno. O U-Turn tem capacidade para transformar a suspa em cursos de 80-120mm e, na época era direcionada para bikes do tipo all mountain. 
Levei a suspa para o Kamikaze fazer uma revisão, trocar o que for preciso... inclusive vai fazer o botão do U-Turn, que esta velho e perdeu ação. Este serviço de trocar e fabricar peças em suspas tem endereço garantido. Não podia ser outro nome... assim que ela voltar da revisão, aviso a galera e faço umas fotos. Este é um trabalho que vale conferir.

terça-feira, 24 de março de 2015

Sendo claro e objetivo... direito autoral!

Foto: Roberto Furtado - Todos os direitos reservados por lei!

      Este tópico vai ser meio esquisito... sinto muito! Estou tendo, algumas vezes, problemas com questões do direito autoral. Muitas das imagens produzidas aqui, em testes, abordagens, etc, estão sendo utilizadas por comerciantes, empresários de ramos diversos. Existe muito material que produzi que esta sendo visto em sites onde o responsável simplesmente entrou aqui e pegou... sem pedir, sem respeitar qualquer vírgula do direito autoral. Isto é errado... Quem precisa pode pedir, pode até ter um direito negado, mas isto é um direito meu ou de qualquer autor. Posso sim permitir, posso vender, posso negociar... mas isto é uma decisão que terei de acordo com o uso. Se alguém quiser copiar qualquer cosia vista aqui, deve me consultar. Por este motivo, peço para os meus amigos leitores ficarem atentos... ao sina de uso comercial, divulgação de qualquer evento, produto, etc com uso do material que produzimos, avise. Até gratifico se vc descobrir o uso de material nestas condições e realmente for uso indevido. O que as pessoas precisam entender é que um profissional da fotografia faz bons materiais pq há uma estrada... toda estrada tem preço, investimento, etc
A mensagem sobre direito autoral esta lá no rodapé do site, bem grande, bem detalhado inclusive sobre consequências. É muito chato ter que sentar pauleira em alguém por este tipo de coisa... mas ao que parece é a única linguagem que as pessoas entendem. 

Bagageiro

Foto: Roberto Furtado
        Vou cair no assunto outra vez e falar do mesmo produto que já comentei aqui antes... Este é um dos bagageiros de alumínio mais fortes que encontrei até hoje. Não confio nenhum pouco em bagageiros de alumínio, pois a fadiga é um inimigo do material e realmente é difícil de ver um bagageiro de alumínio forte e confiável. Com um fenômeno silencioso sendo propagado, ou talvez, quem sai sem rumo de casa com peso na garupeira não sabe se vai ter problemas ou não. vou, mas sempre com receio... este vai fazer parte do meu novo projeto. Nunca carreguei muito peso nele, então, acho que ele é apto. Ao fim da viagem digo o que achei... mas minha sugestão para os amigos é bem objetiva. Vai suar bagageiro de alumínio? Ok... faz uma plano para controlar o uso. Jamais use um destes, ou qualquer outro fabricado em alumínio, sem que seja novo ou quase. Imagina ter 20 kg ou mais na bike e este acessório quebrar. É certo que vc vai ter dor de cabeça....
Tem uma importante observação que me vi obrigado a fazer quando pensei no assunto bagageiro. Seguido vejo ciclistas prendendo o mesmo em apenas 3 pontos. Bagageiros foram feitos para serem presos em 4 pontos... e se vc puder, ou for carregar mais peso, crie mais alternativas de fixação. Isto pq bagageiros que "dançam" com o peso, estarão, inevitavelmente, mais suscetíveis a fadiga. O que garante a durabilidade do alumínio é sua estabilidade... alumínio que trabalha, conta as horas pra quebrar!

segunda-feira, 23 de março de 2015

Os caminhos da zona sul de Porto alegre



         O domingo era aguardado pelos ciclistas inscritos com receio de chuva, mas a noite foi mais fria que as demais e a chuva não apareceu. O presente foi um dia perfeito para pedalar! Nem chuva, nem muito calor! 
Everson Ribas, o Dudu, juntamente com Jânio Bragança, organizaram um passeio exemplar. Dudu convidou o Bikes do Andarilho para registrar este dia de entretenimento. Alguns ciclistas encontraram-se no centro de Porto Alegre e vieram pedalando até a Dudu Bike Shop, no bairro Tristeza... que deveria se chamar alegria, e que transformou-se em ponto de partida para esta aventura para a região de Lami, no extremo sul de Porto Alegre. 
A programação do passeio foi bastante simples e eficiente. Os ciclistas partiram da loja em direção ao Ronco do Bugio, percorrendo asfalto e estradas de chão. No Bike Park, os ciclistas hidrataram-se, e aproveitaram a oferta da casa... Luciano do Ronco do Bugio esperava os ciclistas com fatias de Cuca. Para quem desconhece o que é cuca, trata-se de um pão doce, cuja composição tem inúmeras variantes em receita. Reabastecidos, o grupo com cerca de 40 ciclistas partiu para as estradas dos caminhos rurais da região... um local ainda bem preservado e dado momento nós escutávamos o encontro de dois grupos de bugios. Ao que dizem, os bugios vivem em grupos sociais fechados, quando se encontram, confrontam-se com uma conhecida vocalização. Os moradores da região estão acostumados. Já vi os primatas, mas algumas poucas vezes na região... geralmente nós escutamos eles. Este é um passeio que todo ciclista portoalegrense deveria conhecer. Sair da selva de concreto é uma oportunidade especial. 
Depois de concluído o passeio pelos caminhos rurais, todos voltaram a sede do Ronco do Bugio para apreciar o almoço caseiro preparado com forno a lenha. Carne de panela, arroz, feijão, batata doce, saladas, suco de maracujá ou melancia e, ao fim de tudo, ambrosia de sobremesa. Perfeito...
Alguns ciclistas fizeram as trilhas internas do Ronco do Bugio logo depois do almoço, mas a maioria ficou "jogado" sobre o gramado "jiboiando". Chegada a hora, retorno para casa... e todos estavam na estrada novamente, era o fim de um dia especial junto dos amigos, girando roda e apreciando o trajeto. Agradecimentos a Jânio Bragança e aos demais envolvidos na administração do projeto. 
A coleção de imagens pode ser vista no álbum, uma cortesia do Dudu Bike. 


Fotografia: Roberto Furtado / Bikes do Andarilho
Promoção: Dudu Bike Shop dudubike.com.br

sexta-feira, 20 de março de 2015

Um projeto moderno... pra variar!

         Com oportunidade de gerar um novo tópico, não poderia deixar de abordar coisas relacionadas que julgo importantes...          
Recentemente fui questionado sobre um motivo por não realizar montagens modernas e abordagens específicas sobre produtos atuais. Na verdade a gente faz isto aqui... nem tanto como se gostaria, mas falta mesmo é o investidor acreditar neste mercado e nestes profissionais críticos que realizam testes e abordagens técnicas. Também é fato que não há muitos destes capazes de surpreender o mercado... os testes atuais são fraquinhos, mesmo lá fora, não há aprofundamento técnico. Quando há, não há outra coisa... vc pode perceber que ou falta uma boa coleção de imagens, ou falta conhecimento, ou uma boa metodologia sobre a abordagem. Não há e repito, não há uma canal no Brasil que demonstre um teste que me satisfaça. E isto é evidenciado por falta de conhecimento por parte de quem poderia oferecer este trabalho e, falta de investimento da indústria e dos importadores neste mercado. Agora pergunto... o que movimenta o mercado? Não são as publicidades, testes e outras abordagens que valorizam o produto? Pq pouco se investe em testes, pq os profissionais deste meio não encontram uma estável gama de oportunidades para trabalhar em cima de produtos? Saiba que no Brasil temos mais de duas centenas de modelos de bicicletas de qualidade no mercado... se fizéssemos um teste a cada dois dias não seria possível falar de todos. Note que o mercado pensa pequeno... ou não disponibiliza de recursos para divulgar o produto? Esta é uma resposta que busco até hoje... Bem, vamos ao que interessa!

Projeto atual

          Estou, junto com alguns poucos amigos lojistas "loucos", batalhando para reduzir preços de peças e componentes para montarmos uma bike de testes atual. Este projeto vai fazer parte de várias abordagens. De questões relevantes ao cicloturismo, pneus, rodas, peso, confiabilidade, etc.
A ideia é mostrar que dá pra montar uma bicicleta como se gosta... com qualidade e que atenda necessidades do cotidiano, também que possa ser usada para viajar, para divertir-se, para ser o cavalo de metal que leve para todo lugar. O projeto será atual... freio a disco, inicialmente e preferencialmente mecânico, por motivos que explicaremos mais pra frente. Rodas grandes, afinal, ninguém vai competir com ela... o negócio é ultrapassar obstáculos como areia fofa, barro, estrada com pedregulhos, etc. Moderno por estas características... com freio a disco, quadro de alumínio, peças tecnológicas, geometria mais moderna, etc Confesso que isto não me traz um conforto psicológico, mas vai trazer novas oportunidades ao leitor ao sistema. A gente fez testes legais aqui... alguns com perfil de abordagem crítica. Alguma coisa se fez para a Revista Bicicleta. Agora vamos ver se a coisa decola... falta pouco. Logo mais começo apresentando alguns materiais. Aguenta só um pouquinho aí... prometo que vc vai gostar. Roda pra frente...

quarta-feira, 18 de março de 2015

A necessidade de bike parks ou de demos para testar as bicicletas

Fotos: Roberto Furtado

                   No exterior a importância de testes para o consumidor se mostram de forma muito diferente. O comerciante americano entende o que vende bicicleta e tecnologia.       
Foi na Interbike 2014 que compreendi a diferença e necessidade de um teste verdadeiro sobre os produtos e bicicletas. A Interbike começa dois dias antes, fora do complexo de exposição, alguns kms do local com a intenção de promover testes e experimentações de produtos diversos, principalmente de bicicletas completas. Vc vê pilotos experientes andando sobre bicicletas que chegarão no Brasil em um ou dois anos... na Europa chegará em 6 meses, no máximo! A Interbike descreve as tendências mundias de uma forma muito particular... lá é que surge 70% das tendências mundiais. Se diz que a feira de Taipei é grande, que a Eurobike é gigante, mas sabe-se que muitos dos produtos Projetos alemães ou mesmo chineses, quase nunca colam por aqui e ou menos na américa do norte, em especial do campo MTB. Agora, voltando ao assunto dos bike parks... vc já viu algum cenário de testes pelas terras brasileiras que se pareça com isto? E vc não imagina a estrutura que há por trás disto tudo... de patrulha ambiental, ao fornecimento de água gratuitamente, ou ainda ambulância de prontidão. E fora tudo em termos de bicicleta... estrutura, opções, brindes, etc. É um outro universo, gostaria de poder mostrar melhor isto. É preciso viver para compreender certas coisas. Falarei mais em novas oportunidades... fico por aqui neste momento, roda pra frente! Bicicleta, te amo!